quarta-feira, outubro 20, 2021
InícioSem categoriaBrasileirão não para de demitir “professores” – De Olho na Bola

Brasileirão não para de demitir “professores” – De Olho na Bola

Niland Carneiro          Não deixa de ser espantoso o número de técnicos demitidos até agora das equipes que disputam o Campeonato Brasileiro Série “A”. Até antes desta vigésima quinta rodada, neste fim de semana, acreditem, foram 15 “professores” que ganharam o olho da rua, todos por falta de produtividade. Entenda-se essa palavra como vitórias. Para aqueles que gostam de pesquisa, isso representa mais de um desempregado a cada duas semanas. Nem o catedrático Felipão resistiu às foiçadas Fritura Tudo bem que nem todos foram diretamente demitidos, porque uns e outros sentiram que a batata ia ser assada e jogaram a toalha, antecipando o trabalho dos torcedores e dos cartolas.  O último deles foi o novato Eduardo Barroca, do Botafogo, que queimou seu filme ao perder para o Flu

Niland Carneiro         

Não deixa de ser espantoso o número de técnicos demitidos até agora das equipes que disputam o Campeonato Brasileiro Série “A”. Até antes desta vigésima quinta rodada, neste fim de semana, acreditem, foram 15 “professores” que ganharam o olho da rua, todos por falta de produtividade. Entenda-se essa palavra como vitórias. Para aqueles que gostam de pesquisa, isso representa mais de um desempregado a cada duas semanas.

REPRODUÇÃO INTERNET
Nem o catedrático Felipão resistiu às foiçadas

Fritura

Tudo bem que nem todos foram diretamente demitidos, porque uns e outros sentiram que a batata ia ser assada e jogaram a toalha, antecipando o trabalho dos torcedores e dos cartolas.  O último deles foi o novato Eduardo Barroca, do Botafogo, que queimou seu filme ao perder para o Flu de Marcão. Este, por sua vez, tapou o buraco deixado com a demissão de Oswaldo de Oliveira, dias antes.

Indiscriminação

Com certeza, o vaivém não irá parar por aqui. É só aguardar mais uma ou duas rodadas que o bicho vai pegar para cima de outro treinador. E a ciranda não escolhe cara, porque até o rodado e campeoníssimo Felipão não ganhou refresco, sendo jogado para escanteio pelo Palmeiras, assim como Rogério Ceni tinha sido expelido do seu eterno clube, o São Paulo, de onde o medalhão Cuca havia recebido cartão vermelho.

Desrespeito

Outro famoso que levou bola nas costas foi Abel Braga, ao não perceber a armadilha armada pela cartolagem rubro-negra, o que abriu espaço para o português Jesus. A resistência fica por conta de Tite, que vem sendo bombardeado por significativa parte da mídia, que joga pesado para vê-lo fora da CBF. Observo que quem está se dando bem nessa parada são alguns empresários. Com o mercado de jogadores fechado, eles se mexem e fazem seu jogo, faturando uma graninha. 

Reprise

Aguardemos o desenrolar dessa rodada para vermos o que ocorre. No sábado, às 19h, o Fluminense de Marcão recebe o Bahia dirigido por Roger, no Maracanã. Também no sábado, às 21h, o Botafogo com seu novo técnico – Lazzaroni – pisará o Pacaembu para enfrentar o Palmeiras de Mano Menezes. No domingo, às 16h, na Colina, o Vasco de Luxemburgo recepciona o Fortaleza de Rogério Ceni e, no mesmo horário, na Arena da Baixada o Mengão de Jesus joga contra o Furacão do sólido Tiago Nunes.

Veja mais de:
Matérias relacionadas
- Advertisment -

Mais lidas

error: O conteúdo está protegido!