segunda-feira, maio 16, 2022
InícioPoderENTREVISTA: vereador Carlos Alberto Ferreira Graçano, presidente da Câmara Municipal de Mangaratiba

ENTREVISTA: vereador Carlos Alberto Ferreira Graçano, presidente da Câmara Municipal de Mangaratiba

Popularmente conhecido como Charlies da Vídeo Locadora, presidente da Câmara Municipal de Mangaratiba fala sobre o trabalho no Legislativo e, também, no Executivo

Apesar do aperto administrativo que passou, ao assumir o Poder Executivo de Mangaratiba num momento politicamente conturbado, o que não lhe deu muitas chances de realizar grandes projetos, o vereador Charlies da Vídeo Locadora é um entusiasta das cidades. “Elas são viáveis, mas tem de seguir a forma correta”, sentencia ele, depois de exercer a interinidade até a posse do atual prefeito. “Nos últimos tempos fui o primeiro prefeito com data para entrar e data para sair”, brincou ele, ao conceder a presente entrevista, falando sobre sua passagem pelo Executivo, as preocupações agora como chefe do Legislativo, suas impressões sobre os seis meses do primeiro período legislativo e sobre o futuro:

ATUAL – Que balanço o senhor faz desse primeiro período legislativo de 2019?

Charlies da Vídeo Locadora – Foi um período que passamos arrumando a casa, depois de os três últimos presidentes terem prisão decretada. Abaixamos valores de vários contratos, tiramos funções gratificadas, cortamos assessores. Acredito que estou conseguindo trabalhar conforme o Tribunal de Contas.

É possível quantificar a economia após essas providências?

Vou te dar o exemplo da gráfica: baixamos os gastos de R$ 900 mil para R$ 400 mil. Nós deixamos de receber R$ 350 mil por mês em função do duodécimo e a Câmara de Mangaratiba não deixou de andar. Cortamos mais de R$ 100 mil de funções gratificadas.

Qual a sua expectativa em relação a esse segundo período legislativo?

Será tão importante quanto o primeiro. Vamos estudar a Lei Orçamentária Anual e tenho a expectativa de que o duodécimo deve aumentar, vamos estudar isso e continuar trabalhando em conjunto com o Executivo para o melhor desenvolvimento de Mangaratiba.

Que outras prioridades estão na pauta do Legislativo?

A mais importante é a Lei Orçamentária Anual, porque ela define todo o trabalho do Executivo para próximo ano. Então temos que estudá-la com muito carinho.

Que áreas merecem mais atenção no futuro orçamento?

Sempre a Educação e a Saúde, mas temos que olhar com muito carinho também a Ordem Pública, já que Mangaratiba recebe no verão o que equivale a mais de dez vezes a sua população. Já me coloquei à disposição do prefeito para estudarmos esse assunto, porque fica tudo muito complicado.

Como o Legislativo pode colaborar efetivamente nesse sentido?

Com projetos de lei, ideias. Nós temos aqui vereadores de todos os distritos da cidade e eles conhecem os problemas locais, assim podem contribuir para solucioná-los.

A que tipo de problemas o senhor se refere?

Olha só: no verão passado tivemos assassinato, roubo de carro, roubo a pedestre, baderna na praia. Hoje em Muriqui há casas razoáveis com placa de venda. As pessoas não conseguem passar o verão aqui. Vão ficar só no frio?

E por falar nisso, entre 2017 e 2017 Mangaratiba esteve inserida no Programa de Desenvolvimento do Turismo. Houve continuidade nessa participação?

Não tenho conhecimento, mas o que aprovamos foi a criação da Fundação de Turismo de Mangaratiba, um projeto do vereador Rodrigo Bondim, para trazer verba federal para dinamizar o turismo na cidade. Vamos embarcar nessa onda do presidente Bolsonaro, de investir na Costa Verde.

O senhor exerceu o cargo de prefeito durante uma interinidade. Essa experiência deu pra fazê-lo acreditar que as cidades são viáveis?

Quando assumi eu aproveitei a integração com os vereadores, com o Legislativo. Esse é o caminho para as cidades, mas tem de seguir a forma correta. Nos últimos tempos fui o primeiro prefeito com data para entrar e data para sair, mas as experiências que acumulei não foram boas.

Por quê?

Fui obrigado por ordem judicial a demitir muita gente, não consegui realizar uma obra de vulto, porque nenhum empresário queria fazer obra sem ter a garantia de que iria receber, dada a instabilidade política que marcou a cidade no período anterior a minha atuação na prefeitura. Mas eu consegui que não faltasse merenda nas escolas e insumos nos postos de saúde e no Hospital Municipal Victor de Souza Breves. Fizemos a iluminação artística a custo zero; implantamos a sinalização em ruas; e inaugurei a Faetec, dando sequência ao processo que encontrei. O mesmo se refere às seis ambulâncias e aos dois ônibus escolares. E também implantamos o alvará online, em parceria com a Junta Comercial do Rio. Em dois meses acabamos com o lixão. Chamei o cara do contrato e falei pra ele que se não aumentasse o número de carretas eu ia ao Ministério Público.

O senhor disse que as experiências não foram boas, mas houve conquistas?

Sim! Tivemos conquistas, mas trabalhei todos os dias.

O que o chefe do Poder Legislativo tem a finalizar, dirigindo-se à população?

Sou um cara legal! Meu gabinete está aberto aos moradores, convido-os a visitarem a Câmara Municipal de Mangaratiba e cobrem mais, mas o que é de direito. Estaremos aqui sempre para somar.

RENATO REIS

renato.reis@jornalatual.com.br

Veja mais de:
Matérias relacionadas

Mais lidas

error: O conteúdo está protegido!