segunda-feira, agosto 8, 2022
InícioDestaquePM diz direcionar patrulhamento ostensivo na área do Cefet Itaguaí

PM diz direcionar patrulhamento ostensivo na área do Cefet Itaguaí

Instituição de ensino garante buscar trabalhar junto à prefeitura visando melhorias para a comunidade acadêmica

Quase um mês depois do sequestro de um aluno do Campus Cefet Itaguaí, quando caminhava para casa depois da aula, o medo ainda está entre os estudantes da instituição.  As autoridades dizem estar tomando as devidas providências para sanar a falta de segurança no local e redondezas, mas o fato é que, na prática, a sensação de insegurança continua a mesma.

Em matéria publicada no dia 15 de junho, o ATUAL relatou a história de violência pela qual passou um estudante do curso de Engenharia de Produção do Cefet. Ele foi abordado por bandidos a caminho de casa. Foi espancado e sofreu extorsão. A matéria também trata da insegurança pela qual passa os funcionários do shopping PátioMix, que fica próximo ao Cefet. Saiba mais no link: Sequestro com espancamento de aluno do Cefet Itaguaí apavora estudantes – Jornal Atual

POLÍCIA MILITAR

A reportagem buscou respostas para a falta de segurança no local junto às autoridades. Por meio da assessoria de imprensa, a Polícia Militar do Rio de Janeiro garantiu não faltar policiamento ostensivo no local.

Veja nota na íntegra enviada ao ATUAL:

“A Secretaria de Estado de Polícia Militar informa que o 24ºBPM (Queimados) direciona patrulhamento e ações ostensivas para o município de Itaguaí, inclusive na região citada.

De acordo com dados compilados e divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), houve redução de 10,3% no indicador de roubo a transeunte quando comparados os meses de janeiro-abril de 2022 e janeiro-abril de 2021 na 50ª Circunscrição Integrada de Segurança Pública (CISP), que corresponde ao município de Itaguaí.

A Polícia Militar ressalta ainda que é de suma importância que a população colabore realizando denúncias – o telefone do Disque-Denúncia é 0300-253-1177- ou, para casos urgentes, faça o acionamento através da nossa Central 190. Os registros em delegacias da Polícia Civil também são essenciais para que procedimentos investigativos sejam iniciados e para a revisão constante da análise da mancha criminal”, informa nota.

Como se pode perceber, os dados da Polícia Militar não parecem estar atualizados. Pois estão utilizando dados de janeiro a abril de 2022. Os dados de junho – o estudante foi sequestrado no dia 7 de junho e outras pessoas foram assaltadas na localidades nos dias que se seguiram – ainda não foram incluídos nas estatísticas do ISP.

CEFET

O ATUAL também cobrou um posicionamento da diretoria do Cefet. Sabe-se que a instituição se reuniu com integrantes da Prefeitura de Itaguaí para que diretrizes fossem formuladas no sentido de garantir mais segurança na área. O encontro ocorreu no dia 27 de maio. Ou seja, antes do sequestro, o que evidencia a falta de medidas prática até o momento.

Por meio de um e-mail, na tarde desta quinta-feira (30), a direção do Cefet campus Itaguaí enviou uma nota à reportagem em que afirma fazer esforços para trabalhar junto à Prefeitura de Itaguaí para melhorar as condições de segurança do campus e seu entorno.

Veja nota na íntegra:

“Informamos que reconhecemos as vulnerabilidades de segurança na área do entorno do campus Itaguaí, problema este que já vem de longa data. Em pouco mais de 6 (seis) meses do início da atual gestão, já foram envidados vários esforços no sentido de estreitar relações junto à Prefeitura do Município de Itaguaí, visando melhorias de patrulhamento, iluminação, calçamento, ponto de ônibus, dentre outras, em prol da nossa comunidade acadêmica. Lastimamos, profundamente, a ocorrência mencionada com um de nossos alunos, cujos efeitos procuramos, incansavelmente, mitigar dentro do nosso alcance institucional. Paralelamente, seguiremos cobrando às autoridades competentes na matéria de segurança pública pela efetivação de melhorias para a região”.

Que as intenções saiam do papel e sejam colocadas em prática, porque os trabalhadores do shopping e os alunos do Cefet só querem o direito de ir e vir sem o medo como companhia.

Veja mais de:
Matérias relacionadas

Mais lidas

error: O conteúdo está protegido!