domingo, agosto 14, 2022
InícioDestaqueSeropédica: Justiça condena dois homens por estupro e tentativas de homicídio

Seropédica: Justiça condena dois homens por estupro e tentativas de homicídio

Pena é de 38 anos de prisão em regime fechado por crime que ocorreu em 2017

Cinco anos depois de um crime com requintes de perversidade, a Justiça, a pedido do Ministério Público do RJ, condena dois homens: Luciano dos Santos (vulgo “Lulinha”) e Luis Henrique Smorzuk Dias (o “Lulu”) a 38 anos de prisão em regime fechado. De acordo com a sentença proferida na quarta-feira (23), Santos e Dias tentaram matar a tiros uma mulher e um homem capturados em um estabelecimento comercial em Seropédica, em 2017. Isto depois de tê-la estuprado e a obrigado a fazer sexo com os agressores e a vítima do sexo masculino.

A acusação foi sustentada pelo promotor de Justiça Bruno de Faria Bezerra, titular da 2ª Promotoria de Justiça de Seropédica.

MOMENTOS DE TERROR

Na denúncia, o Promotor relata que os condenados renderam as vítimas com uma arma e obrigaram os dois a entrarem no carro de Lulu. De lá seguiram para a casa de Lulinha, onde obrigaram a mulher a ter relações com os três homens na casa (os dois comparsas e o que foi rendido junto com ela).

Mas o horror das vítimas não terminou com os estupros, porque depois de consumá-los, Lula e Lulinha levaram as vítimas para um matagal perto da casa onde estavam e atiraram três vezes no homem e duas vezes na mulher.

O homem fingiu estar morto e a mulher desmaiou. Ele conseguiu, depois, se abrigar na casa de um amigo que morava próximo. Ela acordou do desmaio, escondeu-se em outro terreno e foi socorrida pela dona do imóvel, que a levou a um posto de saúde no dia seguinte.

Apesar dos horrores a que foram submetidos, ambos sobreviveram e, em depoimento à Justiça, reconheceram os criminosos como autores, o veículo em que foram forçados a entrar e a residência onde ocorreram os estupros.

O Juiz destacou na sentença, a fim de aumentar a pena dos réus, a perversidade dos crimes. A vítima mulher, por exemplo, precisou se submeter a tratamento psicológico e psiquiátrico por anos.

(Com informações do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro)

Matérias relacionadas

Mais lidas

error: O conteúdo está protegido!