terça-feira, dezembro 7, 2021
InícioDestaquePrefeito de Itaguaí sanciona leis que beneficiam servidores

Prefeito de Itaguaí sanciona leis que beneficiam servidores

Abono salarial, ainda sem valor definido, entra na conta em dezembro para a Educação e, em fevereiro, entra o reajuste para todas as categorias

Em um evento no Teatro Municipal Marilu Moreira para diretores de unidades escolares nesta sexta (29), o prefeito de Itaguaí, Rubem Vieira (Podemos), sancionou duas leis que beneficiam servidores. Uma teve origem no projeto legislativo 3979 e dispõe sobre a recomposição salarial de todos os servidores municipais em função da inflação acumulada entre os anos 2017 e 2021. A outra, oriunda do projeto número 3980, é sobre um abono para os servidores da Educação que sairá de um rateio do que resta do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) de Itaguaí, que, caso ocioso, seria devolvido à União. A primeira lei é de autoria de 11 vereadores, os mesmos que acompanhavam o prefeito na assinatura que garantiu a sanção. A segunda é do Poder Executivo. Há talvez “v

Em um evento no Teatro Municipal Marilu Moreira para diretores de unidades escolares nesta sexta (29), o prefeito de Itaguaí, Rubem Vieira (Podemos), sancionou duas leis que beneficiam servidores. Uma teve origem no projeto legislativo 3979 e dispõe sobre a recomposição salarial de todos os servidores municipais em função da inflação acumulada entre os anos 2017 e 2021. A outra, oriunda do projeto número 3980, é sobre um abono para os servidores da Educação que sairá de um rateio do que resta do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) de Itaguaí, que, caso ocioso, seria devolvido à União.

A primeira lei é de autoria de 11 vereadores, os mesmos que acompanhavam o prefeito na assinatura que garantiu a sanção. A segunda é do Poder Executivo. Há talvez “vício de iniciativa” (quando a proposição é tecnicamente inadequada) no caso do reajuste para todos os servidores, porque vereadores não poderiam ser autores de leis que alteram salários do Poder Executivo. O ATUAL ouviu de uma fonte da Câmara que esse vício se anula com a sanção do prefeito.

Não foi possível encontrar explicações sobre o motivo pelo qual o Poder Executivo não propôs as duas leis para, assim, evitar problemas com o vício de iniciativa.

Em ambas as leis ainda não é possível saber quanto o servidor vai ter a mais na sua conta bancária, embora talvez se possa ter uma ideia, pelo menos quanto ao reajuste do funcionalismo em geral.

REAJUSTE

A lei oriunda do projeto de lei 3979 provoca uma correção nos vencimentos do funcionalismo municipal de acordo com a inflação acumulada no período 2017-2021. O que impede, hoje, do servidor saber quanto será o reajuste é a falta do cálculo da inflação deste ano (2021). A prefeitura informou que o índice de correção de todos os anos somados pode chegar a 25%, e que o aumento se fará sentir na conta bancária em fevereiro do ano que vem, quando todos recebem o equivalente ao mês de janeiro de 2022.

Quem ganha, por exemplo, mil reais, poderá passar a ganhar, com o reajuste, R$ 1.250. Mas é preciso cautela. Esse percentual ainda será estabelecido. A conferir.

Uma informação que a prefeitura não incluiu na divulgação para a imprensa foi a forma de pagamento do reajuste. Mas está no texto da lei, publicada no Diário Oficial com data de sexta-feira (29). Será em três anos: 50% em 2022; 25% em 2023 e 25% em 2024.

A correção salarial se dará em três anos a partir de 2022, conforme especifica o texto da lei (Reprodução Diário Oficial de Itaguaí)

ABONO E SEPE

A outra lei, advinda do projeto 3980, estabelece que seja feito um rateio, uma divisão dos recursos do Fundeb para os profissionais da Educação municipal e que ele seja pago em dezembro de 2021, na forma de um abono (como um 14º salário, como se disse na Câmara).

O problema é que não se sabe ainda qual é o montante a ser dividido, pelo menos não oficialmente. A mesma fonte que o ATUAL ouviu disse que esse número surgirá depois que se fizerem os pagamentos custeados justamente por esse Fundo. O que sobrar é o que será dividido.

Mas há condições que punem os faltosos ao serviço que certamente será objeto de alguma polêmica.

De acordo com a lei, quem faltou mais recebe menos, da seguinte forma:

– Cinco a 15 dias de falta: redução de 25% do valor do abono;

– 16 a 30 dias de faltas: redução de 50%;

– 31 a 60 dias de falta: redução de 75%;

– Mais de 60 faltas: não recebe.

A representação de Itaguaí do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe) se pronunciou. Em nota, disse que a discussão é antiga. Surgiu com uma denúncia ao Ministério Público em março de 2020 que destacou o seguinte: R$ 9 milhões do Fundeb seriam devolvidos à União por falta de aplicação.

A prefeitura, ao anunciar a sanção da lei, não informou qual é o montante do Fundeb a ser dividido e não fez projeções sobre valores. Apenas informou que o pagamento será feito em dezembro próximo.

Mas houve agradecimento: “Agradeço aos vereadores pela aprovação do projeto que nasceu no Executivo. Essa é uma forma de reconhecimento e valorização dos profissionais de educação do nosso município”, afirmou o prefeito Rubem Vieira.

Em relação ao critério de distribuição mediante as faltas, a nota do Sepe diz o seguinte: “O Sepe é veementemente contra essa forma de distribuição que considera o número de faltas. Quem falta sem justificativa já sofre as penalidades previstas no Estatuto dos Servidores, a começar pelo desconto dos dias. Essa forma de distribuição do Fundeb, portanto, tira o direito do servidor de tentar se explicar. Em Direito Administrativo, a defesa e o contraditório são indiscutíveis e inegociáveis”.

DINHEIRO A MAIS

A relação de parte do funcionalismo com o governo Rubão não tem sido das melhores ultimamente, principalmente por impontualidade no pagamento, inobservância de benefícios que fazem muita falta (alimentação, vale transporte) e supostas condições inadequadas de trabalho. As insatisfações passaram a pipocar intensamente nas redes sociais e se contrapõem ao clima festivo do governo e da Câmara, que comemoram ainda o significativo aumento da arrecadação municipal.

 A sanção das leis parece ser uma resposta da prefeitura aos diversos ataques que vem recebendo. O anúncio sem o índice de reajuste e sem o valor do abono – tanto pela Câmara quanto pela Prefeitura – parecem indicar que a iniciativa foi tomada em um contexto específico e que o aceno ao funcionalismo é feito com uma bandeira branca.

Mas a boa notícia ainda não veio com números concretos para os servidores calcularem se aumentam ou não a quantidade de itens da Ceia de Natal ou se compram um presente de amigo oculto mais caprichado.

Matérias relacionadas
- Advertisment -

Mais lidas

error: O conteúdo está protegido!