quarta-feira, maio 18, 2022
InícioDestaqueMangaratiba: Justiça Eleitoral modifica sentença de cassação do prefeito e do vice

Mangaratiba: Justiça Eleitoral modifica sentença de cassação do prefeito e do vice

Juiz altera sua própria decisão e condena Alan Bombeiro e Chicão da Ilha a pagarem multa em vez de serem cassados; autores da Ação vão recorrer

Na terça-feira (19) ocorreu uma reviravolta no processo eleitoral do qual são alvos o prefeito e o vice de Mangaratiba, Alan Campos da Costa (o Alan Bombeiro, PP) e o vice-prefeito Alcimar Moreira Carvalho (Chicão da Ilha, Patriota). A ação judicial, que foi proposta em dezembro de 2020, tem como autores Thiago Targino dos Santos e Rodrigo Ferraz de Souza, que foram candidatos, respectivamente, a prefeito e vice pelo partido Podemos na eleição da qual a chapa de Alan e Chicão foi vencedora.

Thiago e Rodrigo alegaram que houve preenchimento de 1.077 cargos comissionados e contratação de 745 servidores temporários durante o ano eleitoral de 2020. Segundo Santos e Ferraz, a administração de Alan e Chicão gerou excesso de gastos com pessoal com o objetivo de realizar captação de votos para a reeleição.

O juiz da 54ª Zona Eleitoral, Richard Fairclough, decidiu em fevereiro deste ano que Alan e Chicão deveriam perder seus mandatos e que Alan deveria ser declarado inelegível por oito anos, a contar do último pleito.

Os réus recorreram da sentença sem terem que deixar os seus cargos, e o resultado saiu na última terça-feira. Fairclough modificou sua própria sentença e reconheceu a culpa dos réus, mas modificou a sanção. Ao invés da cassação, o juiz aplicou multas: R$ 50 mil para Alan e R$ 20 mil para Chicão.

PROPORCIONALIDADE

Em relação aos 1.077 cargos, o juiz fez uma revisão e constatou que tais posições já existiam na estrutura do funcionalismo municipal antes da eleição dos réus. Já em relação aos 745 servidores temporários, o juiz entendeu que os réus são realmente culpados de conduta vedada pela legislação, mas que a cassação é uma pena desproporcional ao ato que ambos praticaram.

O prefeito Alan Bombeiro comemorou a reforma da decisão no processo na sua página pessoal da rede social Facebook (Reprodução internet)

“Diante de todo exposto, valorando a prova apontada pelo embargante, não constante da fundamentação da Sentença (…) verifica-se a prática de conduta vedada, cuja reprovabilidade não guarda proporcionalidade com a sanção anteriormente imposta (…)”, escreveu Richard Fairclough.

Por este motivo, o magistrado modificou sua decisão anterior e entendeu que a multa é mais justa como conclusão do que a cassação do mandato dos réus.

CABE RECURSO

O prefeito Alan Bombeiro comemorou a reforma da sentença nas redes sociais. Mas cabe recurso. Tanto os réus podem questionar a aplicação da multa quanto os autores podem pedir nova reforma da sentença a fim de que esta volte a incluir a cassação e a inelegibilidade de Alan e Chicão. O ATUAL apurou: é praticamente certo que os autores recorram desta nova decisão do juízo da 54ª Zona Eleitoral, mas um novo julgamento ainda não tem data marcada nem prazo para acontecer.

Matérias relacionadas

Mais lidas

error: O conteúdo está protegido!