Garotas de 8 a 18 anos podem transformar ideias em aplicativos

O Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da Universidade de São Paulo (USP) oferecerá uma escola de verão gratuita e online para garotas aprenderem a criar aplicativos. Trata-se da Technovation Summer School for Girls, que vai ensinar técnicas de programação, empreendedorismo e habilidades para trabalhar em equipe. O público-alvo é formado por garotas de 8 a 18 anos que desejam conhecer o mundo da tecnologia. Todas as atividades serão realizadas remotamente, de 17 de fevereiro a 13 de abril.

Segundo o ICMC/USP, nesta edição, serão disponibilizadas 75 vagas para estudantes de escolas públicas e privadas de todo o Brasil. As inscrições devem ser realizadas no sábado, 20 de janeiro, a partir das 14 horas (horário de Brasília), durante um evento online que será transmitido pelo Youtube, no canal do Grupo de Alunas de Ciências Exatas do ICMC (https://www.youtube.com/@graceicmcusp).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No evento, será divulgado o link para o formulário de inscrições, explicados os detalhes sobre como funcionará a escola de verão e esclarecidas as dúvidas das interessadas e dos responsáveis. O objetivo da Technovation Summer School for Girls é ensinar as garotas a transformarem ideias em aplicativos, apresentando métodos inovadores e estimulando habilidades relacionadas a empreendedorismo, trabalho em equipe e à arte de falar em público. Outra meta da iniciativa é estimular as equipes a participarem do Technovation Girls, uma competição global de tecnologia e empreendedorismo para meninas.

O evento online para as inscrições será realizado sábado, 20 de janeiro, a partir das 14 horas, no Youtube

SEM NECESSIDADE DE EXPERIÊNCIA PRÉVIA

Para se inscrever, não é necessário ter experiência prévia na área de tecnologia, basta as participantes se identificarem como o gênero feminino (englobando transexuais e não-binários), possuir uma conta do Gmail e acesso à internet, além de um computador e um smartphone. Também é preciso ter de 8 a 18 anos até 1º de agosto de 2024 e disponibilidade para participar dos encontros online da escola de verão e interagir de forma remota (via Whatsapp e por meio de reuniões).

Como as vagas para a escola de verão costumam se esgotar rapidamente, as organizadoras recomendam que as interessadas participem do evento online e façam as inscrições assim que o formulário for divulgado. A expectativa é de que as vagas se esgotem antes do final da transmissão ao vivo. Esta será a sexta edição da iniciativa e a quarta em que ocorrerá de forma totalmente remota.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Alguns documentos e informações das interessadas serão necessários no momento da inscrição, como e-mail do Gmail (os encontros acontecerão via Google Meet), número do RG e número do CPF (caso possua), bem como RG e CPF do responsável. Além disso, durante a seleção das participantes, será solicitado um vídeo de motivação, então, as garotas serão estimuladas a usar as habilidades criativas para revelar porque desejam participar da escola de verão.

PARTICIPAÇÃO DE VOLUNTÁRIOS

Como em todos os anos anteriores, a Technovation Summer School for Girls também necessita de voluntários que possam contribuir com o desenvolvimento das jovens participantes. Para se tornar um mentor ou uma mentora, basta ser estudante de graduação ou de pós-graduação, profissional da área de educação ou trabalhar em áreas como tecnologia, engenharia, negócios, comunicação e empreendedorismo, por exemplo. Mais informações para quem desejar se tornar um voluntário podem ser obtidas neste link: https://icmc.usp.br/e/1c1a0. Promovida pelo ICMC, a iniciativa é coordenada pela professora Kalinka Castelo Branco, por estudantes e egressas dos cursos de graduação e de pós-graduação do ICMC e por colaboradoras de universidades federais que fazem parte do Grace, grupo de extensão ligado ao ICMC, que tem o objetivo de desenvolver atividades na área de tecnologia e ciências exatas voltadas para o público feminino.

Realizada desde 2018 pelo ICMC, a escola de verão já impactou diretamente mais de 600 meninas e começou sob o guarda-chuva de um grande projeto chamado Ações no ensino fundamental e médio: inclusão feminina no ensino superior de ciências exatas, aprovado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Os bons resultados levaram à continuidade da iniciativa, que novamente foi incluída e aprovada em outra chamada do CNPq, em 2019.

Redação

O Jornal Atual atua desde 2001 nas cidades de Itaguaí, Mangaratiba e Seropédica, bem como em parte da Zona Oeste do município do Rio de Janeiro, abordando o cotidiano da região e prestando serviço à comunidade da qual está inserida.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com
/* */