sábado, janeiro 29, 2022
InícioDestaquePrefeito de Itaguaí faz nova live para explicar situação e ações do...

Prefeito de Itaguaí faz nova live para explicar situação e ações do governo sobre alagamentos

Foram dois desmoronamentos sem vítimas e cinco famílias estão desabrigadas; secretário de Defesa Civil fez recomendações em relação a resgate de pessoas

O prefeito de Itaguaí, Rubem Vieira (Podemos) fez uma nova live às 13h47 de sábado (18), da Central de monitoramento de Itaguaí, houve reunião do Comitê de Crise para tratar da enchente em Itaguaí depois do temporal de sexta-feira (17). Vários bairros da cidade continuam alagados. Vieira deu informações mais precisas, embora ainda haja problemas de comunicação no governo para dar conta da situação dos bairros que têm ruas e casas alagadas.

A live do prefeito é mais uma que se soma às outras feitas pelo vice-prefeito Valter Almeida (Podemos).

Na tarde de sábado (18), uma transmissão da Prefeitura de Itaguaí pelo Facebook mostrou a secretária de Obras – Elisa dos Santos em uma das localidades atingidas. Ela explicou que havia dificuldades em alguns pontos da cidade por causa de construções irregulares nos canais e também porque o maquinário disponível era muito pesado para algumas das tarefas de desassoreamento. Ela afirmou, porém, que outra máquina, mais leve, estava sendo providenciada e que a empresa contratada para prestar serviço à prefeitura ofereceu suporte durante toda a madrugada de sexta (17) para sábado (18).

A secretária Elisa apareceu também em outra live, também na tarde de sábado (18): a do presidente da Câmara, Gil Torres (PSL). O chefe do Legislativo municipal acompanhou o trabalho de uma das equipes que limpa canais, e, ao lado da secretária, enfatizou que o governo está empenhado na solução dos alagamentos.

A segunda parte da live do prefeito Rubem Vieira trouxe o secretário de Segurança Pública, Defesa Civil e Trânsito, Gilson Stutz de Oliveira Júnior. Ele disse que os telefones 193 e 199 estão prontos a receber chamadas para situações de emergência. Para quem precisar se deslocar para o ponto de apoio, basta fazer o chamado para que o resgate leve as pessoas: “Não é preciso ir até o ponto de apoio, vamos resgatar, para que não haja riscos”.

Stutz deu outras orientações: “Se o volume da água voltar a subir, desligue o disjuntor da casa, entre em contato com a gente pelos telefones 193 ou 199 que enviaremos uma equipe para resgatar as pessoas com segurança e levá-las para o ponto de apoio”.

O secretário disse ainda que o volume de chuva previsto para o sábado (18) e o domingo (19) é bem menor do que o que ocorreu na sexta (17).

Segue o que disse o prefeito na live.

EQUIPES NOS BAIRROS

“Não paramos, porque tem muitos lugares cheios [de água]. Temos várias frentes de trabalho, no Brisamar, Engenho, Weda, outra frente chegando no Teixeira. São várias, para tentar reduzir o impacto dessa chuva. Foi muita chuva, trombas d´água das cachoeiras que desembocam nos rios dentro da cidade, o que acaba causando enchentes nos bairros. Retiramos muito sofá, muito armário, não foi por causa da chuva, era coisa antiga, que o pessoal foi trocando e foi jogando, coisas que estavam anos lá jogadas. Tiramos pontes que caíram e ficaram lá, ninguém tirou. Tiramos muito lixo”.

DESABRIGADOS E DESMORONAMENTOS

“Estamos com o abrigo aberto e lá temos cinco famílias que foram encaminhadas pela Defesa Civil, estão recebendo todo o apoio, alimentação. Tivemos um desmoronamento na serra, a pista foi interditada. Tivemos um desmoronamento no Engenho que atingiu duas casas, mas graças a Deus em nenhuma das duas ocorrências houve vítimas”.

LIMPEZA E CEDAE

“Estamos fazendo essa limpeza dos rios há muito tempo, mas é uma coisa que demora, que não depende só da gente. Por exemplo: no Canal do Engenho, que é o mais afetado hoje, estamos há oito meses, quando começamos a limpar… comunicamos à Cedae que há vários tubos que passam por dentro do rio. Na semana passada a Cedae começou a fazer essa suspensão dos tubos. Dependemos da Cedae terminar esse serviço para continuar o trabalho de limpeza. Estamos trabalhando incansavelmente para resolver esses alagamentos”.

TREVO DO DI AMORE E COQUEIROS

“No Trevo do Di Amore, um dos locais onde teve grande alagamento, retiramos os coqueiros porque as raízes dessas árvores entraram nas manilhas e bloquearam a passagem de água. Os coqueiros, que estão doentes, estão sendo removidos e enviados para a Secretaria de Agricultura, onde serão recuperados. Vamos substituir toda a galeria no local para retirar as raízes que ficaram por dentro”.

TRAPICHE

“A secretária de Obras [Elisa dos Santos] está no Trapiche, onde todas as águas confluem. Todos os rios da cidade deságuam no Trapiche, e de lá vai para o mar. Estamos tirando caminhões e caminhões de lixo que está fazendo uma barreira no Trapiche, para tentar fazer a água escorrer mais rápido”.

“NÃO VAMOS PARAR”

“Estamos com todas as equipes nas ruas da cidade, de várias secretarias, da Defesa Civil, da Segurança Pública, de Obras. Temos muito a fazer no sábado e no domingo. Não vamos parar enquanto tiver uma rua com água”.

“EM TODA A CIDADE”

“Sabemos que o problema é em toda a cidade. Precisamos acertar para acabar com esse problema de uma vez por todas. Precisamos acertar para acabar com isso de uma vez por todas, precisamos fazer, agendar, precisamos trabalhar. Tem bairros que não dá para entrar, por falta de iluminação. Árvores caíram. Tivemos problemas com a Light, que demora a atender. Temos um problema crônico com a Light em Itaguaí, enviamos vários ofícios e notificações. Estamos pegando no pé da Light e vamos continuar”.

DEPOIS QUE ACABAR E ATENDIMENTOS

“Depois que acabarem os alagamentos, vamos continuar com o trabalho de desassoreamento dos rios. Nem sempre a solução é no local onde está alagado, pedimos que as pessoas entendam isso. Muitas vezes o problema é onde deságua, e não onde está alagado. Sabemos dos problemas em Chaperó, Santa Cândida, Teixeira, Weda, Cantão, Vila Geny, Brisamar, Coroa Grande…estamos com equipes na rua”.

BRASÍLIA E CEDAE

“Estive em Brasília anteontem. Fui por causa da venda da Cedae, porque o nosso município não foi contemplado na venda da empresa no primeiro pregão. Estávamos junto com Santa Cruz, não houve uma oferta para a região. Mudaram nosso lote, agora nossa cidade está com 15 outras. Isso tem relação com a enchente, porque a Cedae é a responsável pelo esgoto de Itaguaí. Fomos cobrar investimentos em saneamento básico, porque é preciso parar de colocar esgoto dentro da rede pluvial, porque é isso que faz a água voltar para dentro das casas. Temos que ter a tubulação de esgoto e a tubulação da rede fluvial, pois isso evita o problema [das enchentes]”.

Veja mais de:
Matérias relacionadas
- Advertisment -

Mais lidas

error: O conteúdo está protegido!