sexta-feira, outubro 22, 2021
InícioPoderDescaso na saúde é cobrado na Câmara de Itaguaí

Descaso na saúde é cobrado na Câmara de Itaguaí

Vereadores André Amorim e Gil Torres cobram explicações sobre as obras da UPA. População sofre com superlotação no Hospital Municipal São Francisco Xavier A população de Itaguaí vem sofrendo as consequências do descaso na saúde, com a superlotação no Hospital Municipal São Francisco Xavier (HMSFX). Segundo denúncias, a unidade apresenta problemas na estrutura, na falta de material hospitalar, com leitos precários sem ar-condicionado, além da falta de médicos e de ambulâncias. O fechamento da UPA e de alguns postos de saúde também contribuíram para a superlotação no HMSFX.  A superlotação ganhou destaque nas redes sociais e na grande mídia. Durante a sessão de quinta-feira (4), da Câmara Municipal de Itaguaí (CMI), os vereadores André Amorim e Gil Torres relataram que as obras na UPA de Itaguaí estão atrasadas e

Vereadores André Amorim e Gil Torres cobram explicações sobre as obras da UPA. População sofre com superlotação no Hospital Municipal São Francisco Xavier

A população de Itaguaí vem sofrendo as consequências do descaso na saúde, com a superlotação no Hospital Municipal São Francisco Xavier (HMSFX). Segundo denúncias, a unidade apresenta problemas na estrutura, na falta de material hospitalar, com leitos precários sem ar-condicionado, além da falta de médicos e de ambulâncias. O fechamento da UPA e de alguns postos de saúde também contribuíram para a superlotação no HMSFX.  A superlotação ganhou destaque nas redes sociais e na grande mídia.

Durante a sessão de quinta-feira (4), da Câmara Municipal de Itaguaí (CMI), os vereadores André Amorim e Gil Torres relataram que as obras na UPA de Itaguaí estão atrasadas e sem previsão de término. O vereador André Amorim informou que fez uma diligência na UPA e constatou que obra estava prevista para ser entregue na quarta-feira (3), mas pelo andar da carruagem não tem previsão. Em vídeo postado em sua rede social, o parlamentar mostra como está o andamento da obra e mostra que há muita coisa por fazer, como, por exemplo, a troca do assoalho, que está deteriorado; o reparo nas instalações elétricas, que estão danificadas; além do mobiliário amontoado. “A empresa contratada está sendo paga, mas a obra está muito aquém do previsto. A UPA está muito longe de ser reaberta. É um absurdo!”, ressaltou.

André Amorim disse que no dia 6 de junho de 2018 esteve no Ministério da Saúde em busca de informações sobre a UPA e conseguiu um documento comprovando que o Ministério da Saúde nunca deixou de fazer o repasse da verba para a UPA de Itaguaí. “Diante da inércia da prefeitura, encaminhei denúncia ao Ministério Público Federal (MPF), que tomou as providencias cabíveis e só então a prefeitura publicou no Jornal Oficial uma tomada de preço para as obras da UPA, contrato vencido pela empresa Marco Costa Engenharia, que tem ligação com a construtora Litorânea. O contrato diz que o prazo da obra seria de 90 dias, após a publicação do extrato do contrato no Jornal Oficial, publicado no dia 3 de janeiro de 2019, portanto, essa obra tinha que ter terminado no dia 3 de abril. Isso é mais um absurdo desse desgoverno”, criticou o vereador, destacando que já protocolou na CMI um requerimento de informação solicitando toda a documentação relativa à obra para novamente encaminhar ao MPF e à Comissão de Saúde da Câmara de Itaguaí. “Não é possível que esse prefeito continue destruindo essa cidade como ele tem feito”, finalizou André Amorim.

Vereador denuncia desaparecimento de equipamentos

O vereador Gil Torres disse que fez diligências no HMSFX e na UPA. Segundo Torres, que é presidente da Comissão de Saúde, durante a visita ao hospital constatou um avanço, com melhorias sendo feitas. “Porém continuarei acompanhando. Mas falando na questão saúde ainda está longe do que deve ser feito de verdade. Agradeço pela receptividade do diretor do hospital e de sua equipe”, informou Gil Torres, que protocolou um Requerimento de Informação, aprovado na sessão de quinta-feira, solicitando a cópia integral do processo de licitação do contrato da empresa que presta o serviço de reforma, manutenção, pintura e aquisição de aparelhos de ar-condicionados do HMSFX. “O que eu vejo hoje no hospital é uma maquiagem, não é o que tem que ser feito, como o tomógrafo que não foi instalado”, destacou.

Gil Torres também disse que esteve na UPA-Itaguaí, para verificar como está a obra que tem data prevista para acabar neste mês. “Verificamos que ainda falta muito tempo para essa obra termina, já que não tem nada e está tudo danificado. E não é só isso, fizemos um levantamento sobre os equipamentos e constatamos que foram roubados ar-condicionado, inclusive um gerador muito grande que só poderia ser removido com um caminhão munck. Enquanto o hospital segue um cronograma, a UPA está totalmente abandonada e não estará pronta esse mês. A UPA faz uma falta muito grande em nossa cidade dada sua ação rápida e estratégica no combate a doenças mais simples. Esta situação não pode acontecer. Prefeito, a população merece respeito!

Em meio às denúncias de descaso na saúde, o presidente da CMI, Rubem Vieira aproveitou para anunciar que nos dias 11 e 12 de abril, a Secretaria Municipal de Saúde vai realizar no Teatro Municipal de Itaguaí, a Conferência Municipal de Saúde. A abertura do evento será no dia 11, das 13h às 17h e no dia 12, das 8h às 17h.

FOTOS DIVULGAÇÃO
População reclama da superlotação e a falta de medicamentos no Hospital Municipal São Francisco Xavier.
Veja mais de:
Matérias relacionadas
- Advertisment -

Mais lidas

error: O conteúdo está protegido!