Cancela e guarita em ponte recém-inaugurada geram dúvidas em Coroa Grande

Uma guarita e uma cancela na recém-inaugurada ponte Hudson da Silva Loureiro tem sido motivo de dúvida entre moradores e cidadãos que habitualmente passam pelo local. A ponte liga a Avenida Amaral Peixoto, em Coroa Grande, à Rua Itaguaí, no Frontal das Ilhas, como é conhecido um loteamento de residências no local.

A cancela tem o motor que movimenta uma haste, ainda não instalada, mas ninguém consegue explicar a sua lógica ou critério de funcionamento. No geral, guarita e cancela servem para controlar acessos. Ocorre, porém, que o local é público (e não um condomínio privado). Como tal, é responsabilidade da prefeitura.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A reportagem entrou em contato com o governo municipal para explicar a instalação parcial da cancela e a presença da guarita, mas, até o momento, não obteve resposta.

ADMINISTRAÇÃO INFORMAL

Ao apurar junto a moradores, o ATUAL não conseguiu obter explicações definitivas sobre o equipamento.

O que se pode depreender é que a guarita é fruto de uma administração informal do agrupamento de casas, de acordo com o que contaram alguns cidadãos que moram no local. A ideia seria realmente limitar ou controlar o acesso, a exemplo do que já acontece no acesso pela Rio-Santos, o único existente até a inauguração da ponte.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Uma moradora ouvida pelo ATUAL apontou um homem chamado Almir, que faria parte da administração informal do loteamento. Dentre suas atribuições, de acordo com ela, está a cobrança de taxas de moradores para o pagamento dos demais “funcionários” e a realização de obras no conjunto – como a da guarita e da cancela, que teria custado cerca de R$ 4 mil.

Uma moradora do Frontal afirma que o investimento na guarita e na cancela ficou em torno de R$ 4 mil (Contribuição de leitor)

Ainda conforme o relato dela, há um carnê mensal para a cobrança – de valores variados, como R$ 80, R$ 90, R$ 100 ou mais –, mas sem prestação de contas. Ela também destaca que muitos residentes do Frontal desconhecem a quem Almir responde hierarquicamente: “Ele está no conjunto há muito tempo, mas ninguém sabe quem o colocou lá”.

Sobre a cancela, Almir explicou ao ATUAL, por telefone, que somente uma mulher chamada Elaine teria autorização para falar sobre o assunto. A reportagem, no entanto, teve acesso a áudios de WhatsApp nos quais ele confirma que o impedimento a quem vem de fora está descartado: “Os moradores não consideram o Frontal um condomínio fechado. Não vamos proibir ninguém de entrar”.

O homem completa: “Mas sempre houve controle, desde o início, há cerca de 26 anos. Inclusive com visitantes informando na portaria a que residência irá”.

LEIA MAIS

Piloto de Itaguaí sonha com título nacional de Motocross para dedicar à mãe falecida

Itaguaí promove feira para celebrar o Dia Nacional do Artesão

AINDA INDEFINIDO

Por causa das informações sem confirmação, as dúvidas a respeito do acesso e das suas possíveis limitações na ponte seguem entre os cidadãos que costumam transitar pelo local e entre os moradores.

Como não há identificação dos responsáveis pela instalação da cancela e da guarita, não há quem responda sobre o funcionamento.

Há quem questione a autoridade dos possíveis administradores informais do loteamento para proceder à instalação, uma vez que a rua, todos sabem, é pública. Há também quem tema pela possibilidade de prejuízo ao deslocamento entre os bairros, embora alguns defendam a ideia por ela poder trazer – em tese – mais segurança.

O ATUAL segue buscando esclarecimentos. Por ora, uma moradora declara: “A Elaine já fez um abaixo-assinado, e prefeitura está ciente. Só não deu autorização ainda”.

Luiz Maurício Monteiro

Repórter com mais de 15 anos de trajetória e passagens por diferentes editorias, como Cidade, Cultura e Esportes.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com
/* */