segunda-feira, outubro 18, 2021
InícioSem categoriaOperação Vulcão II destrói 10 mil armas ilegais

Operação Vulcão II destrói 10 mil armas ilegais

OPERAÇÃO
O Comando Militar do Leste (CML) realizou na manhã de terça-feira (27), em Deodoro, na Zona Oeste da cidade, a operação Vulcão II para a destruição pública de milhares de armas apreendidas em diversas atividades policiais. Cerca de dez mil armas apreendidas nas ações policiais foram destruídas em uma cerimônia no Batalhão de Manutenção e Suprimento de Armamento, na Av. Duque de Caxias, como parte da operação Vulcão II, do Exército.

A cerimônia de destruição faz parte de um acordo entre o Exército e o Conselho Nacional de Justiça, feito para acelerar a retirada dessas armas de circulação. O acordo, firmado em novembro do ano passado, também garante a doação dos armamentos reaproveitáveis aos órgãos de segurança pública e às Forças Armadas.

A iniciativa visa facilitar a doação e destruição de armamento, refo

OPERAÇÃO

O Comando Militar do Leste (CML) realizou na manhã de terça-feira (27), em Deodoro, na Zona Oeste da cidade, a operação Vulcão II para a destruição pública de milhares de armas apreendidas em diversas atividades policiais. Cerca de dez mil armas apreendidas nas ações policiais foram destruídas em uma cerimônia no Batalhão de Manutenção e Suprimento de Armamento, na Av. Duque de Caxias, como parte da operação Vulcão II, do Exército.

A cerimônia de destruição faz parte de um acordo entre o Exército e o Conselho Nacional de Justiça, feito para acelerar a retirada dessas armas de circulação. O acordo, firmado em novembro do ano passado, também garante a doação dos armamentos reaproveitáveis aos órgãos de segurança pública e às Forças Armadas.

A iniciativa visa facilitar a doação e destruição de armamento, reforçar o poder bélico das forças de segurança do estado e também busca conscientizar a população brasileira sobre a violência armada.

De acordo com o comandante da 1ª Região Militar (que engloba os estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo), general Fernando José Soares, a destruição com o uso de rolo compressor corresponde a uma fase inicial do processo. “As armas que foram apreendidas são armas ilegais, que estão saindo de circulação para que não possam ferir mais seres humanos. Com a destruição é impossível utilizar as armas, mas ainda assim elas vão ser submetidas a um alto-forno para serem derretidas”, explicou.

Veja mais de:
Matérias relacionadas
- Advertisment -

Mais lidas

error: O conteúdo está protegido!