Marinha incorpora submarino Humaitá à força naval brasileira

Em uma cerimônia no complexo naval na Ilha da Madeira nesta sexta-feira (12), em Itaguaí, foi oficializada a incorporação do segundo submarino do Prosub, nomeado Humaitá, ao setor de operações da Marinha do Brasil. O primeiro, chamado Riachuelo, foi entregue em 2022.

O Humaitá tem 71,6 metros de comprimento e 6,2 de diâmetro e é equipado com torpedos e mísseis, além de um sistema ultramoderno de detecção de outras embarcações e de navegação inteligente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ambos os submarinos são frutos do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub), criado no segundo mandato do presidente Lula (2008), com envolvimento da Itaguaí Construções Navais (ICN) e Nuclep. As empresas participaram com construção de componentes e o Prosub é resultado de um acordo de cooperação técnica com a França.

Até 2033 o Prosub deve entregar mais três submarinos, um deles a propulsão nuclear, portanto, são cinco embarcações no total.

O presidente Lula visitou o complexo naval de Itaguaí em março do ano passado, e foi acompanhado de Brigitte Collet, embaixadora da França no Brasil.

Na cerimônia desta sexta-feira, o presidente Lula não compareceu, mas foi representado pelo Ministro da Defesa, José Múcio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Propósito

O submarino Humaitá foi projetado pela empresa Naval Group com a participação de engenheiros brasileiros e construído pela ICN. Segundo a Marinha do Brasil, ao ser incorporado à força de submarinos, vai incrementar o poder de combate e “contribuir para o aumento da dissuasão e servir como instrumento de apoio à política externa do país.

O Humaitá é dotado de um sofisticado sistema de combate capaz de integrar e gerenciar arranjo abrangente de sensores (acústicos, radar, guerra eletrônica, eletro-ópticos e óticos) e armas, a fim de permitir efetiva combinação de quadro tático e emprego de armamento. Seus seis tubos de armas são capazes de lançar torpedos, mísseis antinavio e minas.

Linha do tempo

2008 – Criação do Prosub. França e Brasil assinam tratado de transferência de tecnologias para a construção de quatro submarinos convencionais e um com propulsão nuclear.

2010 – Engenheiros da Marinha fazem cursos e treinamentos dados pela então DCNS (hoje Naval Group), grupo francês especializado em defesa naval e com o qual o Brasil fechou parceria. Eles multiplicam conhecimentos para outros integrantes da Marinha.

2012 – Começa o projeto do 1º SN-BR (Submarino com Propulsão Nuclear Brasileiro), em julho, no CTMSP (Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo). Foi chamada de “fase A”.

2013 – A fase B, 2ª etapa do projeto, teve início em 2013 e terminou em 2017. O fim dessa fase favorece o contrato definitivo para a aquisição do pacote de materiais e da construção do SN-BR; Fases C e D – Nestas etapas estão o projeto detalhado de construção do submarino de propulsão nuclear. A previsão de entrega é 2029, com lançamento em 2033.

Redação

O Jornal Atual atua desde 2001 nas cidades de Itaguaí, Mangaratiba e Seropédica, bem como em parte da Zona Oeste do município do Rio de Janeiro, abordando o cotidiano da região e prestando serviço à comunidade da qual está inserida.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
/* */