quinta-feira, outubro 21, 2021
InícioSem categoriaMetade das apreensões de munição no Rio ocorrem em rodovias federais

Metade das apreensões de munição no Rio ocorrem em rodovias federais

DADOS Um levantamento do Instituto de Segurança Pública (ISP) mostrou que Metade das munições apreendidas no estado do Rio este ano foi interceptada nas rodovias federais, bem antes de chegarem ao seu destino final. Dos 166.756 projéteis capturados pela polícia de janeiro a agosto, 76.767 foram resultado de ações conjuntas entre a Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF). A apreensão de munição em 2018 já superou em 18% todas as balas apreendidas em 2017, e é a maior da série histórica iniciada em 2014 pelo Instituto. Até então, o recorde havia sido em 2016, com 164.877 projéteis apreendidos.

O salto nas apreensões em rodovias federais (o aumento foi de 83% em relação ao mesmo período do ano anterior) coincide com o reforço no efetivo da PRF. Em julho do ano passado, a

DADOS Um levantamento do Instituto de Segurança Pública (ISP) mostrou que Metade das munições apreendidas no estado do Rio este ano foi interceptada nas rodovias federais, bem antes de chegarem ao seu destino final. Dos 166.756 projéteis capturados pela polícia de janeiro a agosto, 76.767 foram resultado de ações conjuntas entre a Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF). A apreensão de munição em 2018 já superou em 18% todas as balas apreendidas em 2017, e é a maior da série histórica iniciada em 2014 pelo Instituto. Até então, o recorde havia sido em 2016, com 164.877 projéteis apreendidos.

O salto nas apreensões em rodovias federais (o aumento foi de 83% em relação ao mesmo período do ano anterior) coincide com o reforço no efetivo da PRF. Em julho do ano passado, a corporação que até então contava com 740 agentes recebeu 350 novos homens.

“Desde então, conseguimos aumentar as equipes operacionais e, principalmente, a área de inteligência, com mais policiais fazendo análise de dados e fortalecendo a troca de informações com outros órgãos”, avalia o inspetor José Hélio Macedo, porta-voz da PRF no Rio.

Veja mais de:
Matérias relacionadas
- Advertisment -

Mais lidas

error: O conteúdo está protegido!