terça-feira, outubro 26, 2021
InícioSem categoriaMenos capacitismo, mais inclusão

Menos capacitismo, mais inclusão

O que é capacitismo? É a discriminação e preconceito contra pessoas com deficiência. Além de condicionar o mundo ao normal. E o que você acha? Você já fez? Ou já sofreu? Vamos refletir sobre isso agora.

Vejo muito a sociedade querer achar a “cura” para muitas deficiências, sendo que não tem como. São questões que não irão mudar. Porque elas têm que se enquadrar a um padrão? Porque nós não podemos mudar e fazer com que o mundo seja para todos, porque ele é! 

Existe muito hoje em dia o uso da palavra “normal” para definir pessoas que não possuem alguma deficiência. Seja ela qual for: física, motora, neurológica, mental. E isso é muito grave, pois criamos uma hierarquia de quem é melhor e de quem é pior. É inaceitável.

Não é porque uma pessoa tem deficiência que ela é invisível! Dê valor, trate como você gosta de

O que é capacitismo? É a discriminação e preconceito contra pessoas com deficiência. Além de condicionar o mundo ao normal. E o que você acha? Você já fez? Ou já sofreu? Vamos refletir sobre isso agora.

Vejo muito a sociedade querer achar a “cura” para muitas deficiências, sendo que não tem como. São questões que não irão mudar. Porque elas têm que se enquadrar a um padrão? Porque nós não podemos mudar e fazer com que o mundo seja para todos, porque ele é! 

Existe muito hoje em dia o uso da palavra “normal” para definir pessoas que não possuem alguma deficiência. Seja ela qual for: física, motora, neurológica, mental. E isso é muito grave, pois criamos uma hierarquia de quem é melhor e de quem é pior. É inaceitável.

Não é porque uma pessoa tem deficiência que ela é invisível! Dê valor, trate como você gosta de ser tratado. Aliás, nós somos todos do mesmo time e da mesma sociedade. Devemos nos tratar e olhar para o outro com um olhar mais amoroso.

Muitos xingamentos são usados com a designação de deficiências. Como chamar o outro de “retardado”, “demente”, falar que “fingiu demência”, perguntar se o outro está “cego” por não ter visto algo que estava na frente dele, perguntar se o outro está “surdo” por não ter ouvido algo que dissemos. E isso é horrível. Nunca podemos usar isso. É muito comum. Temos que mudar isso imediatamente! 

Uma tendência nossa é achar que o outro que comete esses erros graves. “Eu não sou racista, mas as pessoas lá fora são”. “Eu não sou homofóbico, mas as pessoas lá fora são”. E, assim como em outras tendências ruins nossas enquanto pessoas vivendo em sociedade, nós discriminamos o outro por meio dessas palavras, que ferem e colocam outras pessoas para baixo. 

Outra coisa muito importante é a acessibilidade. Escutei esses dias uma história que aconteceu com uma cadeirante. Ela disse que estava saindo de casa e precisava usar o transporte público. O elevador do ônibus quebrou e todas as pessoas começaram a reclamar dela. Sendo que ela só estava usando aquilo que é seu direito. Como podemos ajudar ou somente não atrapalhar, principalmente nesses momentos, devemos prestar mais atenção.

Não é porque uma pessoa tem uma deficiência que ela não pode ter amigos e ser chamada a festas. Vi muito isso. A única pessoa que não era chamada a festas. Ou a que ficava sozinha. Por quê? Não entendo. Se a partir de hoje você ver esse tipo de situação acontecendo, mude! Vamos mudar isso a partir de hoje! Somos todos humanos!

Quando a gente for falar algo, devemos pensar se eu não estou ofendendo alguém, sendo a pessoa que eu estou falando ou outra pessoa que possa passar por uma palavra que eu estou usando para criticar de forma destrutiva o erro de alguém. Quando eu for para um lugar, eu devo refletir se todas as pessoas poderiam ter acesso àquele ambiente e se sentirem parte dele. 

Vamos ter mais empatia e amor! Vamos ser mais inclusivos. Uma luta por um mundo melhor para todos.

 

Se tiver alguma sugestão de tema me mande no meu email ginastamanoellaaparecida@gmail.com

Veja mais de:
Matérias relacionadas
- Advertisment -

Mais lidas

error: O conteúdo está protegido!