segunda-feira, novembro 29, 2021
InícioPoderSupostos casos de assédio podem se transformar no começo do fim da...

Supostos casos de assédio podem se transformar no começo do fim da carreira pública de Charlinho

Protagonista de uma vida pública marcada por altos e baixos, estes últimos representados por denúncias que já lhe valeram inúmeros problemas com a Justiça, inclusive o de condenação a 14 anos de prisão, pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região, pelos crimes de fraude em licitação, corrupção passiva e associação criminosa, o prefeito de Itaguaí, Carlo Busatto Junior, o Charlinho, vê-se agora diante de mais uma grave acusação que pode, se confirmada, fazer crescer sensivelmente a sua ficha corrida na Justiça. Num momento em que o Brasil e o mundo se revoltam diante de casos em que homens, prevalecendo de uma condição de superioridade, aparente ou não, exercem de um suposto poder para assediar sexualmente a terceiros, Charlinho está no olho de um furacão aceso na terça-feira (12), quando da tribuna da Câmara Municipal de Itagu

Protagonista de uma vida pública marcada por altos e baixos, estes últimos representados por denúncias que já lhe valeram inúmeros problemas com a Justiça, inclusive o de condenação a 14 anos de prisão, pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região, pelos crimes de fraude em licitação, corrupção passiva e associação criminosa, o prefeito de Itaguaí, Carlo Busatto Junior, o Charlinho, vê-se agora diante de mais uma grave acusação que pode, se confirmada, fazer crescer sensivelmente a sua ficha corrida na Justiça.

Num momento em que o Brasil e o mundo se revoltam diante de casos em que homens, prevalecendo de uma condição de superioridade, aparente ou não, exercem de um suposto poder para assediar sexualmente a terceiros, Charlinho está no olho de um furacão aceso na terça-feira (12), quando da tribuna da Câmara Municipal de Itaguaí o vereador Gil Torres relatou casos de mulheres que lhe procuraram para denunciar que teriam sido assediadas quando procuraram Charlinho em busca de conseguir o trabalho na Prefeitura de Itaguaí.   

O caso ganhou contornos ainda mais graves quando, para dar sustentabilidade e credibilidade às denúncias, o parlamentar garantiu ter em seu poder, gravações de mensagens de áudio e texto no Whatsapp, provando insinuações e declarações pra lá de comprometedoras contra o prefeito de Itaguaí, em contatos com várias mulheres. Outro vereador foi além, acrescentando que a denunciada prática que compromete a trajetória de Charlinho era uma realidade desde os tempos em que ele governava a cidade de Mangaratiba.

O vereador Gil Torres disse ter encorajado as mulheres que o procuraram a denunciar o assédio sofrido. “As pessoas acabam desistindo da tentativa de conseguir trabalho por não se submeterem ao assédio do prefeito. Elas têm receio, mas disse-lhes que devem procurar o Ministério Público”, assegurou o vereador ao ATUAL. Revoltado, ele classificou o episódio como mais uma notícia que compromete a administração Charlinho. “Acho isso uma vergonha. Não vou falar que ele é o lúcifer, mas as pessoas estão morrendo no hospital; está parecendo que ele veio para destruir a cidade, que fica com uma imagem muito ruim”, indignou-se Gil Torres.

Os comentários sobre assédio envolvendo Charlinho despertaram no vereador Gil Torres a ideia de apresentar um requerimento solicitando informações sobre quantos homens e mulheres figuram no quadro de comissionados e quais os critérios determinantes para a contratação desse pessoal. Trata-se de um novo capítulo de um drama vivido pela população de Itaguaí em geral, por conta de uma questionável administração, e que agora se revela em outra faceta: a de um homem que vem fazendo de seu poder um instrumento para destruir uma cidade e aproveitar, até sordidamente, de sua gente.

Prática é passível de punição com cadeia

Especializado em informação jurídica, o site JusBrasil classifica o assédio sexual como manifestação grosseira, independente da vontade da pessoa a quem é dirigida e que pode ser configurado como crime, dependendo do comportamento do assediador. De acordo com o artigo 216 do Código Penal, a prática é caracterizada por constrangimentos e ameaças com a finalidade de obter favores sexuais, feita por alguém normalmente de posição superior à vítima. A pena é de detenção e varia entre um e dois anos. A mesma legislação enquadra como Ato Obsceno (artigo 233) quando alguém pratica uma ação de cunho sexual (como por exemplo, exibe seus genitais) em local público, a fim de constranger ou ameaçar alguém.

O assédio pode vir de uma atitude verbal ou física, com ou sem testemunhas, e acontecer em salas de aula, ônibus, ambiente de trabalho, boates, consultórios médicos, na rua, em templos religiosos. O assédio não tem um local específico.

Denúncias podem ser encaminhadas pelo Ligue 180

Vinculada ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, a Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres possui uma Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência, que atende pelo Ligue 180, serviço de utilidade pública gratuito e confidencial (preserva o anonimato), por meio do qual mulheres podem denunciar casos de assédio. Mas há também outras formas de denunciar. Em locais públicos ou privados, as vítimas podem e devem buscar ajuda de um policial ou segurança do local. Em situações mais complexas, como quando ocorre durante uma consulta, por exemplo, onde não há testemunhas, a vítima deve fazer a denúncia em uma delegacia e abrir um boletim de ocorrência para dar seguimento à acusação.

No trabalho, a vítima que for demitida injustamente ou que sofrer outras represálias deverá procurar o sindicato de sua categoria, para que este a represente perante a Justiça ou buscar o Ministério Público do Trabalho da comarca da sua residência. A Organização Internacional do Trabalho, órgão das Nações Unidas, caracteriza assédio sexual no trabalho quando ele apresenta pelo menos uma das seguintes particularidades que atingem a pessoa assediada: ser claramente uma condição para dar ou manter o emprego; influir nas promoções ou na carreira; prejudicar o rendimento profissional; humilhar, insultar ou intimar.

Veja mais de:
Matérias relacionadas
- Advertisment -

Mais lidas

error: O conteúdo está protegido!