Lixo sob suspeita

dezembro 26, 2013 Nenhum Comentário »

Extra publica reportagem sobre contratação irregular em Itaguaí de empresa que poderia ter sido criada para receber R$ 16,6 milhões da prefeitura

PODER

JUPY JUNIOR
jupy.junior@jornalatual.com.br

Deu no jornal Extra do último domingo (22): a empresa de coleta de lixo em Itaguaí, a Tristars, foi criada em 13 de dezembro de 2012 (há aproximadamente um ano) e graças a uma subcontratação, receberá este ano R$ 16,6 milhões da prefeitura (já recebeu mais de R$ 10 milhões). Nada de errado, não fosse o fato de que a subcontratação mantém, ainda de acordo com o jornal da capital, a empresa Locanty como responsável pela coleta de lixo. A Locanty foi apontada, ano passado, como a principal envolvida em escândalos em várias cidades do Rio de Janeiro. O EXTRA diz que os pagamentos não são feitos à Locanty, e sim diretamente à Tristars (o que é irregular), cujo endereço comercial é o mesmo da empresa que venceu uma licitação para alugar 187 veículos (alguns blindados) por R$ 7,2 milhões, Mov Cargo Serviços.

PODER - Lixo sob suspeita_Jupy Junior

POSSÍVEIS IRREGULARIDADES
Em janeiro de 2013 a cidade de Itaguaí acumulava montanhas de lixo em cada esquina, situação que se manteve por quase 40 dias. Tal demora se deu porque não houve uma licitação emergencial para evitar que a coleta fosse interrompida. Segundo o EXTRA, Luciano Mota decidiu fazer uma subcontratação via Locanty, que já prestava o serviço na cidade. Para tanto, criou-se a Tristars Controle Ambiental Aluguel de Máquinas e Equipamentos, em 13 dezembro de 2012 (a poucos dias de Mota assumir a prefeitura), conforme o cadastro no CNPJ. A subcontratação, porém, só ocorreu em 23 de janeiro deste ano, embora, ainda segundo o EXTRA, o contrato tenha sido assinado com data de 2012.

Para ter acesso à reportagem completa, assine a edição digital ou impressa do Jornal ATUAL.
Confira também nas bancas de toda região.

 

Deixe um comentário

Você precisa estar Logado para comentar.