Os muitos milhões de Itaguaí e as sempre numerosas dúvidas

junho 3, 2014 Nenhum Comentário »

Prefeitura apresenta as contas parciais de 2014: R$ 36,8 milhões em Saúde e R$ 50,4 milhões em Educação

Os números das contas públicas de Itaguaí são, por si só, impressionantes. Mas existem outros números igualmente impactantes. Por exemplo: nenhum vereador compareceu à audiência pública na última sexta-feira (30). A população também não parecia interessada (ou a divulgação foi ineficiente: apenas o ATUAL e mais outro munícipe compareceram. Consta que a faixa afixada na Câmara Municipal – onde a audiência pública de prestação de contas aconteceu, pela manhã – foi providenciada na última hora. Caso essas informações ainda não sejam suficientes para evidenciar que a riquíssima cidade de Itaguaí pateticamente cumpre a lei e não satisfaz o seu povo, aí vai: os números que a Controladoria Geral do município apresentou são no mínimo estranhos e, no máximo, escandalosos. A segunda opção não deve ser descartada logo de imediato. Soube-se que no período compreendido entre janeiro e abril de 2014 Itaguaí gastou R$ 185,3 milhões. Desse total, R$ 117,7 milhões serviram para pagar a gorda e generosa folha de pagamento, ou seja, 63,49% de encargos com pessoal. Também são sintomáticos os números da Saúde e da Educação. A primeira – a pasta mais problemática do governo Mota –  gastou inacreditáveis R$ 36, 8 milhões em apenas quatro meses. Educação consumiu R$ 50,4 milhões no mesmo período. O ATUAL fez as contas e somou os valores de 2014 aos de 2013 (veja quadro abaixo), por secretaria. Os resultados são alarmantes, tanto quanto às despesas vultosas quanto às despesas zeradas (indústria e ciência/tecnologia, por exemplo). A aplicação dos recursos públicos na cidade causa estranheza principalmente por causa da ineficácia do atendimento em saúde, em educação e em infraestrutura.

Para ter acesso à reportagem completa, assine a edição digital ou impressa do Jornal ATUAL.
Confira também nas bancas de toda região.

Tânia Ribeiro, Josias de Souza, Simone Fernandes e uma assistente: em consonância com a lei, mas números alarmantes (Ramon Cesar)

Tânia Ribeiro, Josias de Souza, Simone Fernandes e uma assistente: em consonância com a lei, mas números alarmantes (Ramon Cesar)

Deixe um comentário

Você precisa estar Logado para comentar.