Nas malhas da burocracia que atrasa o progresso

abril 16, 2014 Nenhum Comentário »

Processo para alvará é lento na cidade. Em Seropédica são três dias, na capital já pode ser feito na internet

Bianca Garcia
JUPY JUNIOR

Empresários que visam investir em Itaguaí encontram grandes problemas: a longa demora no processo de liberação do alvará é o primeiro deles. A cidade, que recebeu a alcunha de “inteligente” no governo do tucano Luciano Mota, não é ágil na liberação de um documento primordial para a instalação de empresas e para a dinamização da economia. A longa espera pela documentação atrasa o progresso da cidade ao comprometer possíveis novos investimentos, empregos e obtenção de receitas provenientes dos impostos. A prefeitura informa que o alvará pode sair em até duas semanas. Allan David, despachante de uma empresa local, não concorda. Segundo ele, o tempo de espera dos empresários é mais longo e as exigências, exageradas: “São processos demorados com exigências incabíveis. São cerca de três a seis meses para uma empresa pequena conseguir um alvará”, disse Allan, que trabalha diretamente com o processo de legalização das empresas. Ele conta que é cada vez mais difícil atuar junto à Prefeitura de Itaguaí. Segundo ele, a empresa para a qual trabalha tem hoje de 30 a 40 processos de alvará em tramitação na prefeitura. “Tem um caso pendente desde 14 de fevereiro. Há dois meses a prefeitura não faz a vistoria. Meu cliente já cumpriu todas as exigências, mas os fiscais ainda não foram vistoriar e, então, liberar o documento”, exemplificou o despachante.

Para ter acesso à reportagem completa, assine a edição digital ou impressa do Jornal ATUAL.
Confira também nas bancas de toda região.

1-Trâmite para solicitação de alvará é longo na cidade inteligente: são semanas entre o pedido e a aprovação pela Prefeitura de Itaguaí (Arquivo ATUAL)

Trâmite para solicitação de alvará é longo: são semanas entre o pedido e a aprovação pela Prefeitura (Arquivo ATUAL)

Deixe um comentário

Você precisa estar Logado para comentar.