Revendo conceitos pela governabilidade

janeiro 8, 2013 1 Comentário »

Vereadores revogam leis de cargos e salários e de redução de ISS aprovadas no apagar das luzes do governo Charlinho

RENATA PIRES

renata.pires@jornalatual.com.br

A Câmara Municipal de Itaguaí iniciou sua atuação no ano de 2013, antecipando para a sexta-feira (4) uma sessão extraordinária que resultou na revogação do projeto de lei de cargos e salários dos servidores municipais, iniciativa aprovada no dia 11 de dezembro, praticamente ao apagar das luzes da administração do ex-prefeito Carlo Busatto Junior. A sessão começou com um atraso de quatro horas, motivado, segundo o presidente da câmara, Nisan César, por uma reunião no gabinete do prefeito destinada a discutir a anulação da Lei 3.049. “Estávamos discutindo com o governo a elaboração e a mudança de alguns projetos que foram votados nos últimos 90 dias e que não são do interesse do novo governo”, ressaltou o presidente da câmara.

De acordo com o vereador Nisan, o prefeito Luciano Mota pretende montar uma comissão para elaborar um novo plano de cargos e salários, que deverá ser apresentado em 120 dias. O vereador Vicente Cicarino Rocha usou a tribuna para questionar a votação do plano de cargos e salários. “Foi feita no último mês do governo Charlinho e as categorias não foram ouvidas e nem todas foram contempladas. Vamos fazer de forma mais responsável, chamando representantes de cada categoria. O prefeito achou melhor não aprovar e criar uma comissão permanente. Não vamos fugir a nossa responsabilidade. Vamos revogar o plano de cargos e salário sim!”, discursou Vicentinho.

Ainda da tribuna, Vicentinho saiu em defesa do prefeito Luciano Mota. “O prefeito assumiu agora em janeiro, e não está fugindo à sua responsabilidade. O prefeito é jovem e está mostrando responsabilidade no município. Nós também temos que ter responsabilidade ajudando o prefeito a governar. Vamos dar a César o que é de César”, discursou ele, fazendo questão de se posicionar com relação ao comportamento na votação anterior. “Apoiei o plano de cargos e salários no governo do Charlinho, porque não vou apoiar e dar crédito ao prefeito que está chegando agora?”, disse.

O vereador Aberladinho, por sua vez, também se posicionou contra a lei revogada em dezembro. “Tem coisas neste plano que iriam prejudicar o próprio funcionário. Tem que ser feito um estudo mais detalhado sobre a Lei 3049”, concluiu.

 

Os vereadores revogaram as lis aprovadas no último m~es do governo Charlinho, sob argumento de que elas prejudicam o novo governo. FOTO - CARLOS ROBERTO

Os vereadores revogaram as lis aprovadas no último m~es do governo Charlinho, sob argumento de que elas prejudicam o novo governo. FOTO – CARLOS ROBERTO

 

Redução polêmica também questionada

Outro assunto de destaque abordado pelos vereadores na sessão extraordinária foi o veto ao percentual de cobrança do Imposto Sobre Serviços (ISS). Em entrevista ao ATUAL, o primeiro secretário, Noel Pedrosa de Mello, o Noel da SOS, justificou que o ISS foi reduzido bruscamente na gestão anterior. “A intenção é voltar ao que era antes para que o prefeito tenha mobilidade para poder negociar, por exemplo, com a Cedae e também com a montadora Volkswagem, que produzirá uma média de dois mil empregos na cidade”, justificou o parlamentar.

Noel Pedrosa explicou ainda o porquê da revogação da lei de cargos e salários. “Não tem como fazer um plano se não existe salário. Temos que ter decência para fazer um plano que realmente valha a pena”, concluiu. Analisando a forma como o novo governo encontrou a prefeitura, o vereador Noel prevê que a atual administração vai levar três meses para entrar nos eixos. “Será uma grande perda para cidade”, lamenta o parlamentar.

Um comentário

  1. Amanda Candido 09/01/2013 at 4:05 am -

    Lamentável.

Deixe um comentário

Você precisa estar Logado para comentar.