Jan 18, 2018 Last Updated 1:35 PM, Jan 18, 2018

Destaques

Nova lei prevê benefícios para…

Os contribuintes poderão aderir ao Programa de Regularização Rural até dia 28 de...

Seropédica qualifica servidore…

Curso foca em planejamento ambiental participativo, na importância da fiscalizaç...

Boato: Cadastramento biométric…

A procura pela biometria aumentou 50% em relação ao mesmo período do ano passado...

Grupos vulneráveis contarão com aplicativo para acionar PM

O aplicativo dará orientações para atender chamados O aplicativo dará orientações para atender chamados FOTO REPRODUÇÃO
Publicado em Serviço
Ler 266 vezes
Avalie este item
(0 votos)

TECNOLOGIA- Os policiais militares do estado do Rio de Janeiro terão um aplicativo para dispositivos móveis em que poderão tirar dúvidas sobre o atendimento a pessoas em situação de vulnerabilidade ou que fazem parte de minorias. A informação foi anunciada sexta-feira (1) pelo secretário estadual de Segurança Pública, Roberto Sá, que participou de um seminário sobre o tema de sua pasta, promovido pela Câmara de Comércio Americana.

Segundo o secretário, o aplicativo está em fase de finalização e foi apresentado ao banco Itaú, que se interessou em financiá-lo. O aplicativo dará orientações para atender chamados de pessoas Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros, mulheres vítimas de violência, pessoas vítimas de preconceito racial ou religioso, crianças, adolescentes e idosos.

"Quando você não sabe e se equivoca nessa tensão, você vitimiza essa pessoa pela segunda vez. O que queremos evitar é que essa pessoa que já chega vitimizada sofra uma segunda violência", explicou ele, que contou que a formulação do conteúdo que constará no guia foi um trabalho que envolveu cada um dos grupos vulneráveis ou minoritários.

Durante o seminário, Sá destacou as dificuldades financeiras que enfrenta desde o início de sua administração. "Sou gestor de uma massa falida, mas vamos recuperar essa empresa", comparou ele, que falava para uma plateia com presença de empresários.

 

O secretário afirmou que, desde o início de sua gestão, passou mais tempo no gabinete de crise que em seu gabinete. Sá disse que trabalha com 2 mil policiais a menos, sem condições de pagar horas extras, e com 50% menos viaturas.