Jan 18, 2018 Last Updated 1:35 PM, Jan 18, 2018

Destaques

Nova lei prevê benefícios para…

Os contribuintes poderão aderir ao Programa de Regularização Rural até dia 28 de...

Seropédica qualifica servidore…

Curso foca em planejamento ambiental participativo, na importância da fiscalizaç...

Boato: Cadastramento biométric…

A procura pela biometria aumentou 50% em relação ao mesmo período do ano passado...

“Lixo é problema no período de chuvas”, alerta Apecs

O DESCARTE inadequado do lixo é um dos fatores para o entupimento de bueiros. O DESCARTE inadequado do lixo é um dos fatores para o entupimento de bueiros. FOTO REPRODUÇÃO
Publicado em Cotidiano
Ler 382 vezes
Avalie este item
(0 votos)

A própria população sofre com o comportamento inadequado de descarte irregular

 

REFLEXÃO- A chegada do período de chuvas traz um problema adicional para a população. O descarte inadequado do lixo é um dos fatores para o entupimento de bueiros. Além disso, provoca a redução da vazão de córregos e rios. “O lixo acaba contaminando a água e o solo, aumentando os riscos para a saúde da população”, alerta o engenheiro Luiz Roberto Gravina Pladevall, presidente da Associação Paulista de Empresas de Consultoria e Serviços em Saneamento e Meio Ambiente (Apecs) e vice-presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental.

 

 

O dirigente ressalta que o período é marcado por chuvas fortes, capazes de levar uma grande quantidade de lixo para os bueiros. “Isso provoca o entupimento das chamadas ‘boca de lobo’, com prejuízos imediatos para a população da localidade. Por isso, é essencial que as pessoas se conscientizem da necessidade do descarte adequado do lixo doméstico”, aponta Pladevall.

 

O descarte irregular do lixo pode provocar problemas para as próprias pessoas que adotam essa postura. “A contaminação acaba afetando os moradores que não fazem o descarte adequado de forma correta, trazendo prejuízos à saúde de todos”, afirma o presidente da Apecs.

 

 

 

Produção brasileira

 

Um estudo apresentado pelo professor doutor José Fernando Thomé Jucá, da Universidade Federal de Pernambuco, com dados de 2016, mostra que apenas 40,2% (2.239 localidades) dos 5.570 municípios brasileiros são atendidos por aterro sanitário e 59,8% (3.331 cidades) ainda têm condições inadequadas, destinando esse material para aterros controlados (31,8%) e lixões (28%). Em volume, os aterros sanitários recebem 58,4% dos resíduos depositados e os aterros controlados e lixões 41,6%.

 

O Brasil é o quarto maior gerador de resíduos do mundo, movimentando R$ 27,3 bilhões/ano, ou 0,44% do PIB e garante 353.400 empregos formais. A coleta seletiva no território brasileiro atende apenas 1,4% de todo o material coletado, porcentagem bem inferior de outras localidades como Europa (45%), EUA (34%) e Japão (19%).