Nov 21, 2017 Last Updated 6:05 PM, Nov 20, 2017

Número de fuzis apreendidos aumenta 75% no estado do Rio

Mais de 340 armamentos deste tipo foram recolhidos por policiais no Estado do Rio de Janeiro Mais de 340 armamentos deste tipo foram recolhidos por policiais no Estado do Rio de Janeiro FOTO CARLOS MAGNO/GOVERNO DO RIO
Publicado em Polícia
Ler 193 vezes
Avalie este item
(0 votos)

SEGURANÇA  O Estado do Rio de Janeiro registrou um aumento de 75% no número de fuzis recolhidos pelos policiais com o crime organizado este ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. De janeiro a agosto de 2017, segundo estatísticas do Instituto de Segurança Pública (ISP), 347 fuzis foram apreendidos, 264 apenas na capital. O número se aproxima da quantidade do material bélico apreendido durante todo o ano de 2016, com 371 fuzis no total.

 Ao todo, foram apreendidas 5.857 armas no estado ao longo deste ano, sendo 1.982 no interior, 1.894 na capital, 1.429 na Baixada Fluminense e 552 na Grande Niterói. “Dos males do tráfico de arma, o maior é o calibre de guerra. Nossa luta é constante. Este ano, criamos a delegacia de Polícia Civil especializada para o combate ao tráfico de armas, a Desarme, responsável pelas mais importantes prisões de traficantes de armamentos e apreensões de armas e explosivos nos últimos meses. Além disso, em seu trabalho ostensivo, a Polícia Militar apreende rotineiramente além de fuzis, explosivos e milhares de munições”, disse o secretário de Segurança, Roberto Sá.

 No início de junho, a Polícia Civil fez a maior apreensão de fuzis da história do estado, no Aeroporto Internacional Tom Jobim: 60 fuzis.

 GRUPO INTEGRADO

 

Para combater o armamento pesado por criminosos, a secretaria implantou medidas estruturantes como o Grupo Integrado de Operações de Segurança Pública (Giosp), que integra as inteligências da Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, da Polícia Rodoviária Federal, da Polícia Civil, da Polícia Militar e da Secretaria de Administração Penitenciária, sob coordenação da Subsecretaria de Inteligência (Ssinte) no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC). Os relatórios do Giosp, com a finalidade de monitorar a criminalidade no Rio, já permitiram a elucidação de crimes, identificação de criminosos, prisões e apreensões pelas polícias, que são as destinatárias das informações produzidas pelo grupo integrado.

Última modificação em Sexta, 03 Novembro 2017 14:49