Nov 20, 2017 Last Updated 5:46 PM, Nov 17, 2017

Pescadores e Inea discordam durante encontro em Itaguaí

Pescadores e Inea discordam durante encontro em Itaguaí FOTO CLEITON BEZERRA
Publicado em Cotidiano
Ler 696 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Reunião do Conselho Municipal de Meio Ambiente expõe problemas e divergências entre comunidades e empreendimentos

 

DEBATE Na manhã desta quarta-feira (18), nas dependências da Secretaria de Meio Ambiente, líderes comunitários, membros de associações de pescadores, representante do Empreendimento Base Naval da Marinha do Brasil, representantes de empresas como Porto Sudeste e Vale, o vereador Waldemar Ávila (PHS), que é presidente da Comissão de Meio Ambiente da Câmara de Vereadores de Itaguaí, e técnicos do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) se reuniram para debater questões que afligem o meio ambiente da região e, consequentemente, a comunidade pesqueira.

Tópicos como a situação do pescador e a ameaça aos manguezais da cidade estiveram na pauta. Moradores da Praia da Quatiquara, porção itaguaiense da Ilha de Itacuruçá, também estavam presentes e cobraram mais ação dos empreendimentos próximos à ilha e da Secretaria de Meio Ambiente para frear a desordem no local.

Por conta de matéria pública no Jornal Atual na última sexta-feira (13) e que expõe a precariedade da Quatiquara com construções irregulares e a morte do mangue, a representante da Secretaria de Meio Ambiente afirmou que a Prefeitura de Itaguaí realizará na manhã de hoje (19) uma força tarefa para fazer um levantamento sobre os problemas da Quatiquara. Vão participar da operação as secretarias de Obra, Meio Ambiente, Ordem Pública e Fazenda.

PESCADORES E EMPREENDIMENTOS

Representantes do Inea, convocados para a reunião pelo Ministério Público Federal, fez uma apresentação sobre o licenciamento de dragagem na Baía de Sepetiba. Foram mostrados todos os processos e como foram feitos estudos para que os empreendimentos recebessem suas licenças de operação.

A divergência ficou evidente entre o órgão licenciador e os representantes dos pescadores. A animosidade era explícita. Com os questionamentos feitos pelos pescadores como o presidente da Associação de Pescadores da Ilha da Madeira (Aplim), Sergio Iroshi, e o presidente interino da Associação de Maricultores da Costa Verde Itaguaí (Amcoveri), José Carlos Naipe, os representantes do Inea ficavam nitidamente sem paciência e se mostravam na defensiva.

Para o pescador, maricultor e morador da Quatiquara, José Carlos Naipe, a exposição feita pelo Inea não representa a realidade da região, onde não houve qualquer favorecimento para o pescador. "Aquela exposição do Inea não é confiável. Disse que responderia às nossas questões, mas não explicou como liberou a licença para a Porto Sudeste. Isso não poderia acontecer, pois a empresa tem pendências com comunidades tradicionais. A Porto Sudeste aliás, na minha opinião, só estava lá para ver se o Inea ia falar mal dela”, declarou Naipe, que ainda reclamou que nunca houve qualquer contrapartida para a região da Quatiquara.

Mangue seco na Praia da Quatiquara. Moradores e frequentadores pedem atenção urgente das autoridades (FOTO CLEITON BEZERRA)

SUGESTÕES

Durante a reunião, os pescadores também fizeram algumas sugestões. Entre elas a do vice-presidente da Colônia de Pescadores de Itaguaí, Helio Ferreira, o Helinho. Para fazer frente à organização dos empreendimentos, ele sugeriu que uma cooperativa para representar o fórum de pescadores seja criada. “Essa cooperativa representaria a coletividade dos pescadores de Itaguaí. Com isso, a categoria poderia participar de linhas de crédito do Banco do Brasil, poderia intermediar as medidas compensatórias, principalmente porque Itaguaí é o mais impactado”, explicou Helinho.

Ele afirmou ainda que a cooperativa de pescadores poderia pressionar para a criação do Zoneamento Econômico, Ecológico e Costeiro, que envolve vários atores. “Assim poderíamos expor nossas demandas, porque quem tem fome tem pressa e o pescador tem fome. Ele é sempre a parte mais vulnerável”, lamentou o pescador.

Durante a reunião do Conselho Comunitário de Meio Ambiente, algumas ausências foram sentidas como a do secretário municipal de Meio Ambiente, Jailson Barboza, a do procurador da república, Sergio Suiama e a de algumas empresas da região. A população espera que as questões debatidas não fiquem jogadas no ar e que algo seja de fato realizado, já que o meio ambiente já está padecendo.

Representante do Inea faz apresentação sobre o licenciamento de dragagem na Baía de Sepetiba (FOTO DILCEIA NOBERTO)

Dilceia Norberto

 

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.