Dec 17, 2017 Last Updated 2:11 PM, Dec 15, 2017

Destaques

Firjan defende votação da refo…

Federação reunirá os prefeitos fluminenses e parlamentares para alertar sobre o ...

Itaguaí promove campanha de im…

Equipe de imunização de Itaguaí recomenda regularização do cartão de vacina de c...

Prefeitura repara tubulação de…

MELHORIA- Em mais uma mobilização que dá sequência aos esforços da Prefeitura de...

Policiais da 48ª DP prendem homem que vendia medicamentos de tarja preta

OS MEDICAMENTOS que o homem vendia só são comercializados sob rigoroso controle OS MEDICAMENTOS que o homem vendia só são comercializados sob rigoroso controle FOTO SEROPÉDICA ONLINE/LUIZ CALDERINI
Publicado em Polícia
Ler 932 vezes
Avalie este item
(0 votos)

FLAGRANTE Policiais civis lotados no Grupo de Investigação Complementar da 48ª DP (Seropédica) prenderam em flagrante, na tarde de terça-feira (12), um homem acusado de vender medicamentos de tarja preta, cuja comercialização é submetida a um rigorosíssimo controle, porque esse tipo de remédio podem provocar muitos efeitos colaterais e reações adversas.

Os medicamentos de tarja preta possuem ação sedativa ou com forte impacto no sistema nervoso central, também sendo do grupo dos psicotrópicos. Sua venda é condicionada à apresentação de receita especial com a seguinte impressão: “venda sob prescrição médica – o abuso desse medicamento pode causar dependência”. Além da dependência química, eles podem causar efeitos graves, como taquicardia e problemas cardíacos e até levar à morte.

A prisão aconteceu depois que os policiais receberam uma denúncia anônima dando conta de que uma pessoa estaria comercializando medicamentos de tarja preta e anabolizantes, todos sem receita médica, por uma rede social, com entrega em diversas localidades no estado do Rio, inclusive no município de Seropédica.

Após constatarem a veracidade das informações, os agentes da Civil entraram em contato com o homem que prontamente ofereceu aos policiais diversos medicamentos sem receita médica e marcou de entregá-los na estação ferroviária de Madureira, local onde foi preso. O acusado cometeu o crime de falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais.