Sep 25, 2017 Last Updated 5:54 PM, Sep 22, 2017
 
 
 
 
 

Novas intervenções em linhas com trajetos em Itaguaí e Mangaratiba

O Detro determinou a intervenção de 10 linhas operadas pela empresa Viação Costeira O Detro determinou a intervenção de 10 linhas operadas pela empresa Viação Costeira FOTO REPRODUÇÃO
Publicado em Cotidiano
Ler 1295 vezes
Avalie este item
(0 votos)

A partir da 0h de sábado (12), as linhas passam a ser operadas pelas empresas: Viação Ponte Coberta, Expresso Recreio e Transporte Flores

 

MEDIDA O Departamento de Transportes Rodoviários (Detro) determinou a intervenção de 10 linhas operadas pela empresa Viação Costeira, conforme publicação do Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro, de quinta-feira (10). A medida deve-se às constantes reclamações quanto à qualidade do serviço prestado pela empresa, principalmente referentes ao mau estado de conservação da frota, o que colocava em risco a integridade dos seus usuários. Além disso, o não atendimento às recorrentes solicitações para que seus problemas operacionais, fiscais e trabalhistas fossem solucionados, também motivaram a determinação.

A partir da 0h de sábado (12), as linhas passam a ser operadas pelas empresas: Viação Ponte Coberta, Expresso Recreio e Transporte Flores.

A empresa Viação Ponte Coberta passa a operar as linhas: 456T Duque de Caxias – Itacuruçá; 452T Duque de Caxias – Muriqui (via Nova Iguaçu); 546I Duque de Caxias – Km 32/BR-465; 450T Nova Iguaçu – Itacuruçá (via Avenida Brasil).

 A empresa Expresso Recreio assume as linhas: 454U Itaguaí – Itacuruçá; 455U Itaguaí – Muriqui; 116T Itaguaí – Mangaratiba.

Já a empresa Transporte Flores operará as linhas: 118T Duque de Caxias – Mangaratiba (Via Nova Iguaçu); 453T Duque de Caxias – Cabuçu (via Nova Iguaçu); 120T Duque de Caxias – Itaguaí (via Nova Iguaçu).

A intervenção acontecerá em caráter emergencial pelo prazo de 365 dias ou até a abertura de procedimento licitatório. Durante este prazo, se a Viação Costeira regularizar toda a situação demandada pela Autarquia, a decisão poderá ser reavaliada. Caso não consiga, a empresa poderá perder a concessão das linhas em definitivo.