Loading...
Sep 18, 2018 Last Updated 12:52 PM, Sep 18, 2018

Prioridades invertidas em sessão legislativa extraordinária

Publicado em Poder
Ler 1321 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Durante sessão extraordinária em Itaguaí, vereadores aprovam novos integrantes de comissões permanentes

POLÊMICA- O embate de forças entre parte dos integrantes do Poder Legislativo, os chamados suprapartidários, e o prefeito Carlo Busatto Júnior, o Charlinho, ganhou um novo capítulo na sessão extraordinária convocada para a noite de quinta-feira (4), quando o bloco aliado ao prefeito promoveu mudanças na composição das comissões permanentes da Câmara Municipal de Itaguaí (CMI). A sessão extraordinária foi convocada sob a justificativa de que nela seria apresentado o relatório final dos trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito instaurada para investigar a demora de instalação de um tomógrafo no Hospital Municipal São Francisco Xavier, bem como o destino do dinheiro destinado ao projeto.

O assunto, no entanto, foi relegado a segundo plano, cedendo lugar à mudança em comissões estratégias da CMI, tema que ocupou mais de duas horas de discussões. No final de muita polêmica, com direito até a exibição de um comentário em transmissão ao vivo pelo Facebook, do vereador André Amorim, foram feitas substituições estratégicas, tudo leva a crer que o objetivo era tirar força de parlamentares que vinham atuando com rigor nas críticas a atitudes do prefeito Charlinho.

Dois dos mais destacados fiscalizadores das ações do prefeito, os vereadores André Amorim e Willian Cezar foram retirados das comissões de Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) e de Educação, respectivamente.  Para eles, restaram lugares em colegiados bem menos incômodos ao prefeito, como os Comissão de Idosos, no caso para o vereador Genildo Gandra (PDT); da Comissão de Atenção ao Portadores de Deficiências e Cuidados Especiais (CADCE) para o vereador Ivan Charles (PSB) e da Comissão de Defesa dos Direitos Animais (CDDA) para o vereador André Amorim (PR).

 Presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Redação, o vereador Genildo Gandra protestou contra as mudanças, defendendo que elas só poderiam ser votadas em sessões ordinárias no retorno do recesso. Ausente, o vereador André Amorim postou uma mensagem no Facebook, denunciando a posição da maioria, que, segundo ele, estaria atuando sob a influência do prefeito Charlinho. Foi o suficiente para o vereador Zezé subir à tribuna para exibir um smartphone com o texto do colega, criticando-o pelo comentário.

Também considerado uma pedra no sapato de Charlinho, o vereador Willian Cezar ironizou as mudanças, dizendo-se feliz pelo fato de que seu trabalho vinha incomodando o prefeito. “Encaro essa mudança como um elogio ao meu trabalho. Significa que eu fiz um trabalho bem feito”, alfinetou.

Na mesma sessão, os vereadores aprovaram por unanimidade, a rejeição ao veto do prefeito Charlinho a um artigo da Lei Orçamentária Anual, que lhe garantiria amplos poderes para governar, como citou o vereador Waldemar Ávila (PHS).

 

O vereador André Amorim reagiu por meio do Facebook. “A Câmara Municipal de Itaguaí se reunirá agora, em sessão extraordinária, a meu entender para tratar de assuntos impertinentes para esse tipo de convocação, bastando para isso ler o que dispõe os artigos 136, I, do Regimento Interno e 46, parágrafo 3º, I, da Lei Orgânica. Falam inclusive de casos de improbidade do prefeito, e, a meu ver, não há nada disso em pauta.

As mensagens do gabinete do prefeito visam tirar ainda mais direitos dos servidores do município, em especial da área da Educação. Não participarei da sessão de hoje, pois como falei em ocasião anterior, estou em viagem com toda minha família, bastante distante de Itaguaí, impossibilitado de retornar, tendo em vista que a convocação para tal sessão se deu ontem apenas (quarta-feira, 3), o que, a meu ver, se torna absolutamente irregular. Precisamos estar atentos”, disse ele.

 

Depois de uma paralisação e de muitas trocas de farpas, o tema “tomógrafo” ficou para depois. Como se vê, para uma parcela de políticos de Itaguaí articular negociações e compadrios é mais importante do que tratar de assuntos de vital importância para a saúde da população.