Loading...
Jul 20, 2018 Last Updated 1:48 PM, Jul 20, 2018

Governistas não convidam oposicionistas para reunião com comando da PM

Publicado em Poder
Ler 1095 vezes
Avalie este item
(0 votos)

AUSENTES Não houve sessão ordinária nesta terça-feira (31). O motivo? Não. Não foi uma festa de Halloween. Embora a bruxa pareça estar mesmo solta em Itaguaí, depois do fim de semana violentíssimo. A razão foi a falta de quórum. Orquestrados como só eles, mais uma vez os 12 vereadores da Câmara Municipal de Itaguaí, que formam a base de apoio do governo, não compareceram ao mesmo tempo. Na Casa, apenas os suprapartidários: André Amorim (PR), Genildo Gandra (PDT), Ivanzinho (PSB), Waldemar Ávila (PHS) e Willian Cezar (PSB). O motivo da ausência dos outros seria uma reunião com o comando geral da Polícia Militar e o prefeito Carlo Busatto Junior (PMDB) para tratar da troca do 24ºBPM (Queimado), pelo 27º BPM (Santa Cruz) em Itaguaí.

A informação não foi confirmada ainda, mas o fato é que os oposicionistas não teriam sido convidados para a conversa e só souberam da ausência dos colegas e do motivo, minutos antes da hora da sessão. Como vice-presidente, o vereador André Amorim (PR) assumiu a Mesa para abrir e, em seguida, encerrar a sessão. Mas não sem antes registrar a sua indignação.

“As considerações que tenho a fazer não são exatamente quanto à ausência dos demais vereadores, porque acabei de ser informado de que os vereadores estão em uma reunião no Comando Geral da PM, a qual nós não fomos comunicados. Coincidentemente, ontem eu recebi em meu gabinete uma resposta do comando da PM, assinado pelo chefe do gabinete do Comando Geral. Foi uma resposta a uma carta aberta que os suprapartidários fizeram em 20 de junho ao governador Luiz Fernando Pezão, em que pedíamos providências para a cidade”, contou André Amorim.

Para o presidente em exercício na noite de ontem, a atitude dos vereadores da base foi louvável em buscar uma solução para a cidade depois de um fim de semana bastante negativo. No entanto, ele lamentou não ter sido convidado, já que é uma luta em comum e em que não há situação nem oposição. Há simplesmente uma situação que a população espera ver resolvida. Durante as considerações feitas em plenários, o vereador Willian Cezar pediu um minuto de silêncio pelas vítimas assassinadas nos últimos dias na cidade.