Loading...
Apr 22, 2018 Last Updated 4:35 PM, Apr 20, 2018

MP entra com ação para acabar com nepotismo em Itaguaí

Publicado em Poder
Ler 1249 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Instituição exige exoneração das secretárias Andreia Busatto, Érika Souza e Flavia Guilherme

AGORA É AÇÃO Exatamente sete meses após o Ministério Público Estadual (MP-RJ) ter recomendado a exoneração (em 30 de março) da primeira dama, Andreia Busatto, e da filha do vice-prefeito, Abeilard Goulart, Érika Souza, a instituição ajuizou ação civil pública pedindo o afastamento de ambas do cargo de secretárias de Educação e Esporte, respectivamente. Além de pedir o afastamento de Flávia Coutinho Guilherme como diretora geral de Meio Ambiente, e de Luís Carlos da Silva Rocha como diretor da secretaria de Eventos. Flávia é mulher do secretário de Meio Ambiente Jailson Barboza, enquanto Luís Carlos é irmão de Fábio Luís da Silva Rocha, atual secretário municipal de Eventos.

Além das relações de parentesco, a ação considera a inexistência de aptidão técnica, relativamente a Andrea Busatto e Érika de Souza. No caso de Flávia Guilherme, diz o texto, não deve sequer ser considerada sua capacitação, uma vez que o cargo de diretora-geral por ela exercido é comissionado administrativo, de natureza não política: “Portanto jamais poderia ocorrer a nomeação da companheira para ocupar função comissionada em relação de subordinação direta ao seu companheiro”, afirma.

A recomendação de exoneração, enviada ao prefeito Carlo Busatto Junior, o Charlinho (PMDB), e à Câmara Municipal foi totalmente ignorada. O parlamento jamais citou em plenário qualquer apuração sobre o caso de nepotismo. O Executivo manteve Andreia e Érika em seus postos. Em 19 de setembro, o ATUAL publicou matéria que questionava ao MP o fim de tal recomendação. Na ocasião, a instituição afirmou que: “De acordo com a 3ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Angra dos Reis, cada caso concreto será analisado individualmente, onde serão adotadas as medidas legais pertinentes, inclusive com a apuração de eventuais atos de improbidade administrativa”.

O nepotismo é proibido pela Constituição Federal e pela Súmula Vinculante nº 13, conforme entendimento do Supremo Tribunal Federal. Como houve recusa ao integral atendimento à Recomendação, o Ministério Público do Rio de Janeiro ajuizou a ação para pedir o afastamento liminar das servidoras e a condenação dos réus nas penas da Lei de Improbidade Administrativa.

Para o MP, Charlinho feriu princípios básicos da administração pública, dentre eles os da impessoalidade, “uma vez que não leva em conta o interesse público primário, o verdadeiro interesse coletivo, mas sim o familiar”; o da moralidade administrativa, já que o representante tratou a máquina administrativa como se fosse sua empresa privada; o princípio da eficiência administrativa, “eis que o réu levou em conta apenas o grau de afinidade existente entre ele, as nomeadas, seu vice e seu secretário de Meio Ambiente”.

O ATUAL entrou em contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura de Itaguaí para saber se finalmente o Executivo vai acatar a recomendação feita em março e exonerar Andreia Busatto, Érika Souza e Flavia Guilherme ou se vai aguardar a decisão judicial. No entanto, até o fechamento desta edição, não obteve resposta.

 

 

 

 

 

 

 

Mais Poder

Comissão de esporte recebe ministro

APRESENTAÇÃO Recentemente empossado, o ministro... (leia mais)

Últimas Notícias

Terceira Idade de Itacuruçá celebra o Dia do Índio com gincana

Os participantes realizaram diversas atividades... (leia mais)

Dificuldade na aprendizagem é tema de capacitação

MANGARATIBA A Diretoria de Assistência... (leia mais)

A caminho da regularização empresarial

Sebrae vai promover encontros destinados... (leia mais)