Loading...
Jul 18, 2018 Last Updated 12:59 PM, Jul 18, 2018

Negado recurso de ex-prefeito Capixaba, condenado por crime

Publicado em Poder
Ler 2102 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Ministro Luís Roberto Barroso justificou que não constatou qualquer anormalidade, ilegalidade flagrante ou abuso de poder que autorizasse revogação da prisão do ex-gestor de Mangaratiba 

DECISÃO NO SUPREMO O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou provimento ao Recurso Ordinário em Habeas Corpus (RHC) 145421, interposto pelo ex-prefeito de Mangaratiba, Evandro Bertino Jorge, condenado a uma pena total de 52 anos de prisão por comandar organização criminosa voltada a fraudes a licitações e a desvios de mais de R$ 500 mil de recursos públicos quando era prefeito do município entre 2011 e 2012. Ele está preso preventivamente desde abril de 2015.

Após a condenação pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ), a defesa interpôs recursos especial e extraordinário, respectivamente, ao Superior Tribunal de Justiça e ao Supremo, que ainda estão pendentes de análise. Em seguida, requereu ao TJ-RJ a concessão de efeito suspensivo a ambos os recursos, visando à suspensão da execução provisória da pena, mas o pedido foi indeferido. Contra essa decisão, foi impetrado habeas corpus no STJ, negado. No STF, a defesa reiterou o pedido de concessão de efeito suspensivo aos recursos especial e extraordinário, destacando o argumento da plausibilidade das teses recursais, em especial quanto à incidência da regra da continuidade delitiva, o que levaria à revisão da dosimetria da pena. 

Decisão baseada em normalidade

O ministro Barroso não constatou no caso qualquer teratologia (anormalidade), ilegalidade flagrante ou abuso de poder que autorize a revogação da prisão. Segundo o ministro, o habeas corpus não é a via processual mais adequada para a postulação de efeito suspensivo a recursos de natureza extraordinária. Ele apontou ainda que a jurisprudência do STF é no sentido de que o exame sobre a continuidade delitiva importa em análise de fatos e provas, o que não é possível por meio de Habeas Corpus (HC).

PARA BARROSO, Habeas Corpus não é a via processual para a postulação de efeito suspensivo (FOTO REPRODUÇÃO)

 

 

Mais Poder

Justiça determina prisão preventiva de Luciano Mota

 Ex-diretor de Informática também tem... (leia mais)

Vereador relata mais um descaso na saúde de Itaguaí

Willian Cezar oficializou denúncia crime... (leia mais)

Congresso aprova diretrizes orçamentárias para 2019

Dispositivo que proibia reajuste salarial... (leia mais)

Últimas Notícias

Mangaratiba vai ganhar unidade do Sine-RJ

 Prefeitura e Estado selam acordo... (leia mais)

Alunos do EJA participam de formatura em Seropédica

SOLENIDADE A Escola Municipal Ronald... (leia mais)

Seropédica promove arraiá para idosos

EVENTO As festividades juninas ainda... (leia mais)

Sinal de TV digital mais próximo de Mangaratiba

Beneficiários de programas sociais já... (leia mais)

Vagas para pessoas com deficiência em Mangaratiba

OPORTUNIDADE O Balcão de Empregos... (leia mais)