Aug 23, 2017 Last Updated 4:06 PM, Aug 23, 2017

As primeiras 24 horas de Éverton Ribeiro rubro-negro

Meia foi anunciado, saudado e apresentado à sua nova casa na terça-feira (6), na Gávea Meia foi anunciado, saudado e apresentado à sua nova casa na terça-feira (6), na Gávea FOTO GILVAN DE SOUZA/FLAMENGO
Publicado em Esporte
Ler 391 vezes
Avalie este item
(0 votos)

REFORÇO Foram meses de ansiedade e rumores. As sondagens do início do ano repercutiam nas cabeças da Maior Torcida do Mundo como o sonho de mais um grande nome em um elenco já extremamente qualificado. As memórias falavam por si: um jogador bicampeão brasileiro, eleito craque do campeonato nas duas vezes e com um lance histórico contra o Mais Querido.

Nem o atraso de quase uma hora no vôo que o trazia de São Paulo foi suficiente para acalmar os ânimos dos torcedores. Aglomerados no salão de desembarque do Aeroporto Santos Dumont, cantaram e acolheram o meia assim que ele passou pelas portas do saguão.

Da chegada... direto para a Gávea. Na casa rubro-negra, teve contato com a história do clube e se impressionou. Na exposição interativa Fla-Memória, se juntou a sua família e conheceu momentos de várias modalidades, assim como taças e ídolos do Mais Querido. Atento a tudo, absorveu a mística rubro-negra com entusiasmo.

Uma breve reunião com seus familiares, o presidente do clube, Eduardo Bandeira de Mello; e o diretor executivo de futebol, Rodrigo Caetano; precedeu a entrevista coletiva oficial de apresentação. Lá, atendeu a jornalistas e sócios-torcedores e apresentou o número que vestirá em seus anos pelo Flamengo: a camisa sete.

Com tudo resolvido na sede social, o rubro-negro foi conhecer sua nova rotina. No CT George Helal, teve contato com seus novos companheiros de trabalho. Foi bem recebido por atletas e comissão técnica e apresentado à estrutura física do local.

Já no fim da tarde, foi liberado para voltar à casa. Ribeiro começa nesta sexta-feira (9) a treinar e, pela burocracia, fica livre par estrear a partir do dia 20 de junho.

 

Foram 24 horas cansativas, mas de muitas emoções. Um primeiro passo marcante para uma trajetória que tem tudo para ser, também, marcante.