Jan 21, 2018 Last Updated 5:06 PM, Jan 19, 2018

Destaques

Light está com vagas para elet…

OPORTUNIDADE- A Light divulgou na quinta-feira (18), por meio das redes sociais...

Postos de vacinação contra a f…

FEBRE AMARELA – Aumentou o número de postos de vacinação de Seropédica que estar...

Protesto pela vacina da febre …

Moradores do bairro Vista Alegre fecharam rua da UBS pedindo vacina. A dose é of...

Vereadores de Charlinho enterram direitos de servidores

Publicado em Poder
Ler 1312 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Base governista aprovou, em discussão final, projetos do Executivo que suspendem reajustes e progressão por qualificação de funcionários

DURO GOLPE- Os vereadores da base governista aprovaram, na noite desta terça-feira (5), em discussão final, os projetos de lei encaminhados pelo prefeito Carlo Busatto Júnior (PMDB), o Charlinho, que acabam com benefícios e vantagens dos servidores municipais.

 

Sob protestos dos servidores, que mais uma vez lotaram o plenária da Câmara de Itaguaí, para reivindicar seus direitos cobrando dos vereadores o compromisso de lutar em prol do funcionalismo público, o vereadores que compõem o grupo que apoiou o prefeito Charlinho taparam de vez a tampa do cachão dos servidores.

 

Contrário aos projetos do Executivo, os vereadores suprapartidários se esforçaram para tentar barrar o que consideram uma injustiça com os servidores, mas foram vencidos pelos 11 vereadores que passaram por cima dos pareceres da Comissão Finanças Orçamento Controle e Prestação de Contas (CFOCPC), que consideraram inconstitucionais o projeto que suspende vantagens patrimoniais até o limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal (cancela o quinquênio) e o que suspende a eficácia de normas que tratavam de adicional de progressão do servidor, ou seja, o funcionário deixa de receber bônus mesmo com diploma de nível técnico, pós-graduação, mestrado e doutorado, por exemplo.  

 

O vereador Genildo Gandra (PDT) destacou que com a aprovação dos projetos do Executivo,  os funcionários concursados em 2012, que receberiam o quinquênio no início de janeiro de 2018, perderão esse direito. “O governo enviou esses projetos para a câmara para garantir o não pagamento do quinquênio, da progressão e do adicional de qualificação por oito anos. O funcionário que completa agora cinco anos, que teria direito ao quinquênio, vai ter que esperar 48 meses para ter esse direito reconhecido”, ressaltou o parlamentar.

 

Também contrário ao corte dos benefícios dos servidores, o vereador André Amorim também se manifestou.  “Serão implementados de forma prospectiva, o que acarretará um problema para a futura gestão. É uma questão que não está clara e não tem como ser aprovado”, argumentou o vereador, sobre a emenda proposta pela base governista. 

 

Mais uma vez, a sessão foi marcada pelo forte esquema de segurança encabeçado pela Polícia Militar, agentes do Grupo Tático Operacional (GTO), agentes da Guarda Municipal e seguranças do Legislativo, com reforço de alguns assessores de vereadores. Porém, o forte esquema de segurança não intimidou os manifestantes que vaiaram todos os vereadores da base governista e gritavam “fora Charlinho”, “fora Rubão”, “bandidos”, “comprados”, entre outros xingamentos.

 

MISTÉRIO

 

Outra surpresa verificada durante a sessão foi a presença dos vereadores Nisan Cezar (PSD) e Fábio Rocha (PV), o Fabinho, secretários de Ordem Pública e Turismo,  respectivamente,  que assumiram as suas cadeiras no lugar dos suplentes Junior do Sítio (PSD ) e Carlos Zóia (PV). Segundo informações extraoficiais, Nisan e Fabinho assumiram seus postos para confirmarem aprovação dos projetos do Executivo contra os servidores. Ainda de acordo com as informações extraoficiais, alguns vereadores da base governista estariam pressionando o prefeito Charlinho.

 

 

Fontes também disseram que a presença dos dois vereadores seria para participarem de uma possível eleição da mesa diretora, o que não aconteceu. Vamos aguardar a próxima sessão. O mistério fica no ar!