Mar 29, 2017 Last Updated 3:00 AM, Mar 29, 2017

Uma luta de esperança em Itaguaí

Projeto Rocha Combat acontece no CSU com mais de 30 crianças, jovens e adultos.    Projeto Rocha Combat acontece no CSU com mais de 30 crianças, jovens e adultos.   Fotos Flávio Barbosa
Publicado em Esporte
Ler 1710 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Projeto Rocha Combat visa à formação de esportistas e cidadãos em no município

Flávio Barbosa
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

INCLUSÃO SOCIAL O esporte como ferramenta de inclusão social. No Centro Social Urbano de Itaguaí (CSU), localizado no bairro Monte Serrat, o professor de luta livre, Álvaro da Rocha começa a construir uma vida moldada na disciplina que o esporte oferece para crianças, jovens e adultos do município. O ATUAL acompanhou a 4ª aula do projeto que possui o objetivo de ensinar os fundamentos da luta livre para que os praticantes possam ter uma vida longe de caminhos ruins, como o das drogas, por exemplo, além de prevenir doenças provenientes do sedentarismo.

Enquanto os jovens estão praticando a luta no tatame do professor Rocha, eles não estão nas ruas à mercê de situações perigosas. Segundo o professor, quem não conhece a luta livre pensa que ela é representada por aquele típico “vale tudo”. Porém, ele ressalta que não é bem assim. “O vale tudo é uma extensão da luta livre, e não a luta livre em si. Este esporte possui diversas especificidades como as quedas, a imobilização, a finalização e até a defesa pessoal, esta última, procurada por muitas mulheres”, disse o professor, Álvaro Rocha.

 Pioneiro como professor de artes marciais nas escolas, Rocha pretende ampliar os horizontes com o novo projeto, que é gratuito, mas que ainda não possui patrocínio ou ajuda de custo. Além de beneficiar as crianças, Rocha salienta que o esporte ajuda os adultos na prevenção de doenças típicas do sedentarismo. “Para os adultos, o esporte promove benefícios que ajudam na vida pessoal evitando, por exemplo, doenças em pessoas que não se movimentam ou praticam atividades em grupo tais como obesidade, hipertensão e até depressão”, disse o professor.

Pai de Wesley Júnior, o morador da localidade, Weslei de Oliveira do Carmo destacou a importância do projeto para seu filho.  “Meu filho é uma pessoa muito ativa e este projeto deu uma disciplina muito boa para ele em casa. Penso que é excelente esta iniciativa de abrir as portas para as crianças”, disse o morador Wesley do Carmo. 

Para se inscrever, é necessário que os interessados compareçam às terças-feiras e quintas-feiras ao CSU a partir das 17h e providenciem o atestado médico. Menores de idade precisam de autorização dos pais. A Secretaria de Esportes já fez um primeiro contato para, possivelmente, firmar uma parceria.