Apr 28, 2017 Last Updated 5:39 PM, Apr 28, 2017

Artesãs discutem reforma previdenciária

A reunião aconteceu na última sexta-feira (7) e debate foi sobre a mulher na reforma da previdência A reunião aconteceu na última sexta-feira (7) e debate foi sobre a mulher na reforma da previdência FOTO DIVULGAÇÃO
Publicado em Cotidiano
Ler 862 vezes
Avalie este item
(0 votos)
Marcado sob

Fórum de Economia solidária debateu situação da mulher em relação às mudanças na aposentadoria

 DEBATE A primeira reunião mensal do Fórum Municipal de Economia Solidária de Itaguaí (FMESI) do ano de 2017, que aconteceu na Câmara Municipal de Itaguaí na última sexta-feira (07), teve como tema da rodada de conversa “Mulheres e a reforma da Previdência”.

O Fórum Municipal de Economia Solidária de Itaguaí é um coletivo que integra os segmentos dos artesãos, agricultores familiares, pescadores artesanais, catadores, recicladores de resíduos, remanescentes de quilombola, ribeirinhos, artistas e educadores populares, além de todos os cidadãos que buscam gerar renda através de sua produção, seja em grupos, associações, cooperativas ou individualmente.

O coletivo do FMESI tem como objetivo a implantação de políticas públicas, bem como receber do poder público um espaço fixo com segurança para a exposição e comercialização do que é produzido através dos princípios da economia solidária. Com isso, o coletivo espera ter uma geração de renda e impulsionar o desenvolvimento econômico para o município de Itaguaí.

Segundo Nancy Lino, secretária executiva e voluntária, o coletivo vai apresentar aos chefes dos poderes Executivo e Legislativo o requerimento para a aprovação da lei de fomento à economia solidária, da criação do espaço público de artesanatos e economia solidária, assim como a superintendência da economia solidária, e o Conselho Municipal de economia solidária.

Ao término da plenária, uma roda de conversa com o tema “Mulheres e a reforma da Previdência”, com a presidente da Confederação de Mulheres Fluminenses, Elza Sena, discutiu o impacto que as mudanças propostas na Previdência Social terão na vida das mulheres. Principalmente no que se refere a igualar a idade mínima de aposentadoria para homens e mulheres. Segundo Elza, as mulheres, além da dupla jornada de trabalho que realizam – no setor em que trabalham e nos serviços domésticos – também precisam se afastar do trabalho com mais frequência para se dedicar aos filhos pequenos, por exemplo, e com isso acabam tendo naturalmente menos tempo de contribuição com a previdência.

As reuniões do FMESI acontecem todas as primeiras sextas-feiras do mês, às 13h30.