Jan 23, 2018 Last Updated 1:35 PM, Jan 23, 2018

Destaques

Seropédica recebe 30 mil doses…

IMUNIZAÇÃO - O município de Seropédica recebeu 30 mil doses extras de vacina con...

Mangaratiba intensifica ações …

Secretaria Municipal de Saúde realizou nesta segunda-feira (22), uma campanha de...

  Cerimônia oficializa certif…

  Evento marcou a homologação do projeto e construção de cilindro fabricado par...

Charlinho inverte papéis e quer fiscalizar vereador

O VEREADOR promete ir á Justiça contra a calúnia O VEREADOR promete ir á Justiça contra a calúnia FOTO CLEITON BEZERRA
Publicado em Cotidiano
Ler 3767 vezes
Avalie este item
(0 votos)

“O que eu quero é transparência na administração”

REAÇÃO Surpreso com a decisão da Prefeitura de Itaguaí, o vereador Willian Cezar classificou o ato como uma autêntica inversão de papéis, com a nítida tentativa de coibir a sua função institucional de fiscalizar. “O meu gabinete está aberto a todos aqueles que quiserem informações, até ao prefeito. Agora, não existe respaldo legal para o que a prefeitura solicitou”, enfatiza o vereador. Ele conta que, além disso, as informações solicitadas pelo Executivo podem ser acessadas pelo Portal de Transparência da Câmara Municipal de Itaguaí (CMI). Em uma situação diametralmente oposta, o parlamentar sustenta que pela Comissão de Educação da CMI, e com um grupo de cinco colegas, já encaminhou ao Executivo três requerimentos de informações que não estão disponíveis no site ou nos canais de comunicação da Prefeitura de Itaguaí.

O vereador está indignado com o que identificou como atitude de aliados do prefeito, que vêm usando as redes sociais para atribuir a ele a responsabilidade pela nulidade do processo seletivo. “É um processo que existe desde dezembro de 2016, cujo autor foi o Ministério Público”, contradiz ele. “Quero que todas as pessoas de Itaguaí trabalhem, mas expor pais de família a essa situação é desumano, é uma covardia”, disse ele, referindo-se ao fato de que o processo seletivo foi lançado mesmo em colisão frontal com a lei. Reagindo à atitude que ele enxergou por parte de aliados do prefeito, o vereador já decidiu o caminho que vai tomar. “Tratam-se de servidores públicos, de pessoas com conhecimento, com nível superior. Se elas compartilham nas redes sociais algo que não é verdade, podem sofrer sanções da Justiça. É calúnia e difamação! Aqueles que forem identificados nessa prática vão ter que responder pelos seus atos”, anunciou.

 

 

 

Última modificação em Sexta, 17 Março 2017 09:50