Loading...
Jul 23, 2018 Last Updated 1:48 PM, Jul 20, 2018

Deputados recebem cônsul-geral do México

Os cônsules foram recebidos na Alerj  pelo presidente em exercício da Casa, deputado André Ceciliano Os cônsules foram recebidos na Alerj  pelo presidente em exercício da Casa, deputado André Ceciliano FOTO THIAGO LONTRA/ALERJ
Publicado em Cotidiano
Ler 917 vezes
Avalie este item
(0 votos)

VISITA A cônsul-geral do México, Linda Marina Temoltizin, e o cônsul de cultura do país, Adolfo Zepeda Soria, foram recebidos na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), nesta quarta-feira (21), pelo presidente em exercício da Casa, deputado André Ceciliano (PT), e outros parlamentares. No encontro, os representantes discutiram as diferenças entre o Brasil e o México no processo eleitoral.

Segundo a cônsul-geral, seu país acaba de passar por uma reforma política e eleitoral, movida principalmente pelo Instituto Nacional Eleitoral do México. “Esse órgão passa a ter mais autoridade sobre a eleição, com independência em relação ao Tribunal Eleitoral. Esperamos atingir mais transparência. Este ano, teremos eleições para presidente da república, senadores, deputados federais e estaduais, governadores e prefeitos”, disse.

Linda Marina Temoltizin explicou quais são os principais pontos de divergência na eleição mexicana em comparação ao Brasil. “Ainda usamos cédulas de papel e temos uma identificação para o eleitor que serve como documento para todo tipo de trâmite. Apesar de ter a obrigatoriedade do voto no México, quem não vota não é penalizado. A reeleição, que já existe aqui, vai ser possível pela primeira vez, exceto para presidente.Também não há segundo turno, então a eleição é feita apenas com a maioria dos votos”, relatou.

A cônsul falou também da participação das mulheres na política. “No México, os partidos devem apresentar 50% de candidaturas femininas. Mas temos que seguir avançando e lutar para que a população possa eleger com confiança as mulheres e, assim, manter um equilíbrio nos congressos”, declarou. Além disso, a cônsul-geral contou que este ano, pela primeira vez, serão permitidas candidaturas independentes, sem partido. Quanto ao financiamento das campanhas, afirmou que ele já é público e federal no país, apenas com doações restritas de militantes e sem verbas de empresas.

André Ceciliano apresentou aos cônsules mexicanos a experiência brasileira. “Falamos das culturas mexicana e brasileira, de futebol e do processo eleitoral dos dois países. O México, assim como o Brasil, tem uma população que recebe bem os políticos. Falamos também das indústrias automotiva e do petróleo, que é outra coisa em comum, mas em especial de legislação eleitoral. É sempre bom trocar experiências e conhecer outra cultura e legislação”, avaliou o presidente em exercício.

Os cônsules ainda convidaram os deputados para a chegada do Navio-Escola Veleiro ‘Cuauhtémoc’ da Armada do México, que vai atracar na Praça Mauá, no Centro do Rio, na próxima quarta-feira (28). O navio é semelhante ao Cisne Branco, veleiro de instrução dos cadetes da Marinha do Brasil, que faz uma volta ao mundo com aspirantes a oficiais das diversas academias ou escolas.