Feb 21, 2018 Last Updated 2:08 PM, Feb 21, 2018

Destaques

Mangaratiba intensifica combat…

PREVENÇÃO- A Secretaria Municipal de Saúde de Mangaratiba (SMSM) anunciou ontem ...

Sobe para 33 o número de morto…

CONFIRMADOS- Sobe para 33 o número de mortos pela febre amarela no estado do Rio...

Apresentação dos alunos da ofi…

CULTURA- Os alunos da oficina de verão de teatro de Itaguaí terão que esperar um...

Se a água não rolar, o álcool gel pode ajudar!

EM MESAS desse tipo, o ideal é usar guardanapos ou talheres para pegar os alimentos EM MESAS desse tipo, o ideal é usar guardanapos ou talheres para pegar os alimentos FOTO DIVULGAÇÃO
Publicado em Cotidiano
Ler 545 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Surtos de infecção, gripes e outras viroses costumam ocorrer durante o Carnaval. Higienizar corretamente as mãos reduz as chances de transmissão

SAÚDE "Atrás do trio elétrico, só não vai quem já morreu!". Caetano Veloso, em 1969, já cantava um dos principais clichês de Carnaval: o grande número de pessoas na rua. No ano passado, Rio de Janeiro e São Paulo receberam 6 milhões e 3,5 milhões de turistas, respectivamente, segundo dados da prefeitura paulista e da Riotur. Já a Prefeitura de Salvador contabilizou 2,5 milhões de foliões na cidade. Com tanta gente na rua, não deve faltar animação para a folia, e nem os perigos de contaminação por agentes microbianos. Doenças respiratórias virais (Exemplo: adenovírus, rinovírus, parainfluenza e VSR) e Hepatite A são algumas das que potencialmente podem ocorrer sob forma de surto nesta época do ano.

Júlia Kawagoe, docente do Mestrado Profissional em Enfermagem da Faculdade Albert Einstein e consultora técnico-científica da B.Braun Brasil, explica que as mãos são as principais vias de transmissão nesses casos. “Nós nos contaminamos ao tocar em superfícies como corrimão de escada, suporte de ônibus, trens, metrô, entre outros, e ao ter contato com água contaminada. Com as mãos contaminadas, inconscientemente tocamos nariz, boca ou olhos. E após isso, ainda continuamos tocando outras pessoas e outras superfícies, perpetuando a cadeia de transmissão de micro-organismos", explica a especialista.

Ainda segundo Júlia, o cuidado nas relações sexuais deve ser redobrado, já que doenças como a hepatite A podem ser transmitidas também através desse tipo de contato. “Além da necessidade do uso de preservativos para se proteger dessas doenças e, também, de uma possível gravidez indesejada, a proteção por meio da vacina é fundamental, inclusive para adultos”, diz a especialista, ressaltando que como a doença pode ser transmitida através do contato, as crianças também devem ser imunizadas. “Para crianças de até 5 anos a vacina é gratuita”, informa.

Outro modo de transmissão de agentes microbianos, especialmente os vírus que causam gripe e resfriados, ocorre pelos perdigotos contaminados durante o espirro e a tosse. "As mãos se contaminam ao cobrir a boca e o nariz, e se não forem higienizadas, podem contaminar as superfícies do ambiente a serem tocados logo a seguir”.

Banheiros químicos também são vilões disfarçados nessa esfera de contaminação, já que a falta de água para higienização das mãos acaba por alimentar a cadeia. "Parasitoses intestinais e até hepatite A podem ser transmitidas nesses casos. A dica para reduzir os riscos é levar um frasco de álcool gel pequeno no bolso ou na bolsa, para usar sempre que for utilizar o banheiro", afirma.

Alimentos também não estão imunes à contaminação. "Uma das ocorrências comuns nesta época do ano é a gastrenterocolite aguda, cujo quadro inclui vômitos e diarreia (podendo causar desidratação), devido à manipulação e consumo de alimentos produzidos sem condições higiênicas e má conservação. Lembrando que entre os alimentos, as bebidas (leite, água – gelo também, sucos, batidas) também podem ser fonte de infecção. Os alimentos podem se contaminar durante e após o seu preparo, e ao ser consumido. As bactérias (Salmonella spp) ou suas toxinas (Staphylococcus aureus), e mesmo os agentes virais (norovírus, adenovírus) podem causar infecções intestinais".

COMO SE PREVINIR

Para tentar fugir de imprevistos e aproveitar o Carnaval até o fim, a especialista cita algumas práticas que podem auxiliar no combate dessas doenças. São elas:

-Ao tossir e espirrar, cubra a boca e nariz com lenço de papel. Descarte o lenço em uma lixeira, e higienize as mãos – lavando-as com água e sabonete, ou friccionando-as com preparação alcoólica. Caso não tenha lenço de papel e não tiver recursos para higienizar as mãos, não deve tossir ou espirrar nas mãos – elas ficarão contaminadas e irão contaminar superfícies aos serem tocadas. Neste caso, tussa ou espirre na parte interna do cotovelo.

-Não leve as mãos à boca, olhos ou nariz. Evitará se contaminar.

- Atenção a alimentos e bebidas: não consuma alimentos se desconfiar da procedência, qualidade, acondicionamento e conservação térmica. A água deve ser tratada/filtrada, mesmo sob forma de gelo.

- Proteja-se nas relações sexuais utilizando preservativo.

 

A CORRETA higienização das mãos durante a folia reduz as chances de transmitir doenças