Feb 21, 2018 Last Updated 2:08 PM, Feb 21, 2018

Destaques

UFRuralRJ está em pesquisa do …

Juntos, negros e pardos já representavam, há três anos, 47,5% do total de estuda...

Projeto Praia Verão 3ª Idade i…

Itacuruçá foi o primeiro núcleo a realizar as atividades com suas integrantes I...

Mais uma doença de verão: Conj…

Com alto risco de contaminação, saiba como evitar esse grande incômodo na vista ...

Pontos revitalizados em Coroa Grande

COM NOVO desenho, os pontos terão melhor estrutura para atendimentos aos clientes que forem a Coroa Grande    COM NOVO desenho, os pontos terão melhor estrutura para atendimentos aos clientes que forem a Coroa Grande   FOTO LUISA MARTINELLI
Publicado em Cotidiano
Ler 470 vezes
Avalie este item
(0 votos)

NOVA REALIDADE Os vendedores ambulantes de Coroa Grande escolheram a proximidade com a linha férrea como ponto de referência de trabalho. Sendo a área de propriedade da MRS, o comércio ficou ameaçado de continuar no local, ainda mais por ser considerado desordenado. Em um acordo entre a empresa e a Prefeitura de Itaguaí, através da Secretaria Municipal de Ordem Pública, os camelôs ganharam o direito de trabalhar em um novo espaço.

Os antigos pontos foram realocados e agora contam com estrutura padronizada. Ao todo, são 13 quiosques em ferro galvanizado, com dois metros quadrados e espaço delimitado de cinco metros de distância um do outro. Essa foi a exigência da MRS para que os vendedores abrissem seus negócios no novo endereço. Logo, a prefeitura passa a ter maior controle sobre as atividades dos ambulantes.

Ao contrário do que foi divulgado no site da prefeitura, quem arcou com o custo dos pontos foram os próprios comerciantes. Eles desembolsaram as quantias referentes às obras e contratação do serralheiro. “Estamos sem trabalhar desde novembro por conta da obra. O gasto ultrapassou R$ 5 mil”, contou um dos camelôs, que preferiu não se identificar. “É até bom falar sobre isso porque muitos moradores ficaram com raiva da gente por causa disso. Eles diziam em tom de ameaça: a prefeitura não tem dinheiro pra gastar com a saúde, que está precária, e investe em quiosques?”, lembra.

Para os proprietários, situação melhorou

O grupo está sem trabalhar desde novembro quando foi notificado pela prefeitura. “Não nos deram prazo para a gente se preparar financeiramente. Alguns chegaram a pegar empréstimos para poder continuar atuando no local”, relatou outra.

Mesmo com toda dificuldade a maioria é unânime quando o assunto é o futuro dos negócios. Eles acreditam que desta forma o bairro e os trabalhadores serão beneficiados com a melhoria. “Para gente pode estar sendo difícil agora. Mas, estamos tendo a oportunidade de legalizar nosso trabalho, de evoluir. Dessa forma todo mundo sai ganhando”, acredita.

A caminho da qualificação oficial

Depois de trabalharem duro para que os pontos ganhassem novo visual, com estrutura em metal, os comerciantes já se animam com as novas possibilidades que o momento oferece. Às vésperas de abrirem os seus renovados pontos, alguns já pensam até em novos voos e novas conquistas, até com mais qualificação pessoal e profissional, indo ao encontro do que será do agrado tanto do poder público, quanto dos moradores e do próprio público que frequenta o local em busca de diversão e lazer.

De acordo com o grupo, o projeto de revitalização da área é apontado pela Prefeitura de Itaguaí como uma solução para os camelôs que trabalhavam quase de forma ilegal. Sem falar na ordenação que o espaço ganhou. “Futuramente terei que procurar o Sebrae para aprender como me tornar um micro empreendedor individual”, vislumbra o microempresário, após orientação da Secretaria de Municipal de Ordem Pública. A previsão é que as obras estejam concluídas antes do Carnaval, época em que muitos foliões são atraídos para o bairro. Assim, eles esperam lucrar com a folia. 

Última modificação em Sexta, 02 Fevereiro 2018 11:51

Mais Cotidiano

Últimas Notícias