Jun 25, 2017 Last Updated 3:00 AM, Jun 23, 2017

Unimed afirma apoio ao pastor Antônio Carlos Ramos

Publicado em Cotidiano
Ler 1574 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Plano de saúde diz que ofereceu transferências ao ex-capelão do HMSFX, mas ele recusou todas

Dilceia Norberto
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

ATENDIMENTO Após publicação sobre o acidente do ex-capelão do Hospital Municipal São Francisco Xavier (HMSFX), o pastor Antônio Carlos Ramos, e a suposta dificuldade dele com o plano de saúde Unimed, a operadora entrou em contato com o ATUAL e pediu para esclarecer os fatos. A Unimed Rio voltou a afirmar que entrou em contato com a família do pastor e que tem prestado todos os cuidados necessários.

De acordo com o plano de saúde, a Unimed recebeu o pedido de transferência do paciente no dia 1º de fevereiro, quando sua remoção foi autorizada e desde então tem feito de tudo para transferir o paciente para uma unidade onde ele possa receber o atendimento adequado. Ainda de acordo com a Unimed, apesar de o plano do usuário não dar direito a transporte aeromédico, foi-lhe oferecido uma transferência a preço de custo.

A operadora de saúde informou que tem disponibilizado opções de transferências para o paciente, mas ele recusou todas. “Com relação ao caso do paciente Antônio Carlos Ramos, a Unimed-Rio informa que foram disponibilizadas vagas no dia 09/02/2017, no H. Unimed Maceió, no setor de emergência, onde o paciente seria avaliado por serviço de cirurgia torácica, e no H. Unimed Recife, vaga de quarto, que também dispõe de serviço de cirurgia torácica. O beneficiário preferiu ser transferido para o H. Unimed Recife, em função da disponibilidade de leitos, porém, após a liberação da ambulância, o mesmo recusou a transferência”, informou nota emitida pela assessoria de imprensa da Unimed-Rio.

O ASSOCIADO

O pastor Antônio Carlos Ramos sofreu um acidente no dia 27 de janeiro, em uma rodovia do Nordeste, quando seguia para uma ação missionária na Paraíba. A colisão aconteceu no estado de Alagoas, na altura da cidade de Arapiraca. Com o impacto, ele teve cinco costelas quebradas e um derrame pleural. Após a transferência de uma unidade de emergência, onde recebeu os primeiros atendimentos, o pastor passou por uma cirurgia para colocação de um dreno no pulmão. Esse procedimento foi realizado por um cirurgião torácico pago pela família, já que em Arapiraca não há médico com essa especialidade que seja conveniado à Unimed. O plano garantiu reembolso total.

Entretanto, o pastor acredita que o tratamento da Unimed não tem sido correto e afirma que a oferta de transporte aeromédico tem um custo que ele não pode arcar: cerca de R$ 70 mil. Pastor Antônio também confirma as ofertas de transferência para capitais nordestinas como Maceió e Recife. Mas diz que em seu estado, a sua médica, do Rio de Janeiro, desaconselhou a realização do transporte, que levaria cerca de cinco horas para Recife e poderia oferecer riscos a sua saúde.

Até o fechamento desta edição, o pastor Antônio Carlos Ramos seguia internado no Complexo Hospitalar Manoel André (Chama), na cidade de Arapiraca, no estado de Alagoas.  Por enquanto, o impasse continua.

 

Última modificação em Quarta, 15 Fevereiro 2017 17:02