Nov 19, 2017 Last Updated 5:46 PM, Nov 17, 2017

Sem coleta, lixo hospitalar toma conta do HMSFX e de UBSs de Itaguaí

Montanha de lixo contaminante no HMSFX. Mau cheiro vai direto para a cozinha da unidade Montanha de lixo contaminante no HMSFX. Mau cheiro vai direto para a cozinha da unidade (FOTO DIVULGAÇÃO MUSPI)
Publicado em Cotidiano
Ler 1032 vezes
Avalie este item
(0 votos)
Marcado sob

Servidores temem contaminação e já entraram com denúncia junto ao MP e na Câmara Municipal

CONTAMINAÇÃO Um lugar que deveria curar doenças virou foco de contaminação. Esse é o caso do Hospital Municipal São Francisco Xavier (HMSFX), que está tomado por uma montanha de lixo contaminante, oferecendo risco à saúde de pacientes, funcionários e toda a população. De acordo com servidores, o lixo não é recolhido há dias e toma conta de uma área cada vez mais crescente do hospital. Eles ainda dizem que o mau cheiro penetra forte na cozinha do HMSFX e estão todos às moscas.

Entretanto, o hospital não é a única unidade de saúde do município que acumula lixo contaminante. Alguns funcionários da saúde afirmam que outras unidades também sofrem com o descaso e a população com o risco. Por este motivo, o Movimento Unificado dos Servidores Públicos de Itaguaí (Muspi) entrou com denúncia junto ao Ministério Público (MP), na Promotoria de Tutela Coletiva de Nova Iguaçu, e Câmara Municipal de Itaguaí.

“Está uma verdadeira zona. Na UBS do centro, a montanha de lixo está escorada numa parede que dá para a odontologia, que está com o ar-condicionado quebrado e precisa ficar coma janela aberta para circular ar e lá eles fazem procedimentos invasivos, como incisão para extração de algum dente e dão ponto e tudo isso com a presença de moscas, além do mau cheiro. No HMSFX, o lixo fica localizado de frente para a cozinha, bem na entrada do refeitório, dificultando até a circulação de pessoas”, afirma a servidora da saúde e autora da denúncia, Hellen de Oliveira .

Lixo hospitalar amontoado perto da janela da odontologia da UBS do centro

De acordo com a denúncia, o que ocorre é um crime sanitário nas unidades públicas de saúde, que acumulam lixo hospitalar por mais de duas semanas sem qualquer respeito às normas de descartes ou armazenamento de resíduos contaminantes. O motivo seria a falta de uma empresa para fazer o serviço. “Eles não estão recolhendo o lixo infectante gerado na saúde. A administração não em empresa para fazer a coleta desse lixo, que é um lixo diferenciado. Eu escutei que a situação estava assim, porque o contrato com a empresa havia acabado e eles não estavam conseguindo fazer licitação para dar continuidade ao serviço. Enquanto isso, esse lixo está paralisado há mais de duas semanas. No hospital há uma montanha de lixo e é o lixo contaminante junto com o lixo perfurocortante. Esse material deveria ficar armazenado em uma caixa até a coleta, mas sem a coleta os estão misturando os tipos de lixo”, lamenta a denunciante.

Ainda segundo a denúncia, as Unidades Básicas de Saúde (UBS) de Vila Margarida e de Chaperó se encontram nas mesmas condições do HMSFX. Ou seja, o lixo hospitalar está sendo mantido, amontoado, a céu aberto, oferecendo risco à população. Tudo às moscas.

O ATUAL entrou em contato com a Prefeitura de Itaguaí para informações sobre a coleta de lixo. Por meio de sua assessoria de imprensa, o governo enviou a seguinte nota: “A Prefeitura de Itaguaí esclarece que o serviço de coleta do lixo hospitalar em suas unidades de saúde já foi normalizado”, informou nota

Dilceia Norberto

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Última modificação em Quinta, 31 Agosto 2017 19:49