Nov 23, 2017 Last Updated 2:00 AM, Nov 23, 2017

Parlamentares de Itaguaí votaram contra pedido de dispensa de interstício de Sandro da Hermínio

NÃO Pela primeira vez, em muito tempo, os suprapartidários venceram uma votação na Câmara de Vereadores. Na verdade, não foram os suprapartidários que venceram. O que houve de fato foi uma derrota do líder do governo, Sandro da Hermínio (PT do B). Depois que o Presidente da Casa, Dr. Rubem Ribeiro (PTN), fez um desabafo sobre as acusações de que estaria prolongando as sessões ordinárias com o objetivo de causar um esvaziamento das assembleias e só então colocar as matérias mais polêmicas em votação, Sandro foi à tribuna para parabeniza-lo.

Para suprapartidários, nova legislação pode ser usada como desculpas para exoneração de servidores efetivos

 

PODE? A edição extra, número 590, do Jornal Oficial de Itaguaí, publicada às vésperas do feriadão da Independência, em 6 de setembro, traz o ato de sanção do prefeito Carlo Busatto Junior, o Charlinho (PMDB), para a Lei 3.541, de autoria do próprio Poder Executivo. A lei em questão reconhece o estão de calamidade pública no âmbito da administração financeira, declarado pelo Decreto nº 4.200, quando a nova gestão tomou posse em janeiro deste ano. O tema virou pauta em uma das sessões ordinárias da Câmara Municipal de Itaguaí, quando o bloco suprapartidário considerou a aprovação do decreto um documento assinado em branco para que o Executivo fizesse o que bem entendesse. Para muitos especialistas, a Calamidade Financeira – se é que ela existe – pode servir como desculpas para que o município gaste desmedidamente, ou como desculpa para corte de gastos. O fato é que o município pode incorrer em inúmeras irregularidades.

CONVOCAÇÃO O vereador André Amorim publicou, na noite de terça-feira (29), em uma rede social uma convocação para que a população compareça à Câmara Municipal de Itaguaí, na quinta-feira (31), com o propósito de impedir a aprovação de um projeto de lei que autoriza o Poder Executivo a enviar o nome de devedores de IPTU, ISS ou de multas de trânsito para o SPC e o Serasa, além de encaminhar para protesto no cartório de títulos e documentos do município.

Carlos Kifer contou que a comissão que preside entrega tudo no prazo regimental, mas quem decide é o governo

NA LABUTA Há uma divisão clara entre vereadores de Itaguaí na Câmara Municipal. Há os que apoiam o governo do prefeito Charlinho (PMDB) e os que não apoiam. Estes, preferem ser chamados de suprapartidários ao invés de oposicionistas. Pois garantem que trabalham pelo bem da cidade. Com a presença marcante de servidores e com a batalha destes com o governo, os parlamentares governistas trataram de deixar bem claro, durante as últimas sessões, que também fazem tudo pelo bem do município.

Governistas da Câmara de Itaguaí evocam democracia e garantem que votam como o Executivo quer

 

AMÉM! Na longa sessão ordinária de terça-feira (22), as divergências entre os edis da Câmara Municipal de Itaguaí atingiu seu ápice mais uma vez. Contudo, uma coisa ficou clara de uma vez por todas: tudo será votado como o prefeito Charlinho (PMDB) quiser. Para além disso, ainda há dúvidas na interpretação do Regimento Interno e reclamações sobre matérias que não são colocadas para votação.

Apesar de lei do alvará ter sido aprovada por unanimidade, vereadores mantiveram veto de Charlinho

CONTROVÉRSIAS Noite longa a de terça-feira (22). Especialmente na Câmara Municipal de Itaguaí. Com casa cheia e votações polêmicas, a agitação começou antes mesmo do início da sessão ordinária. A líder sindical, Cristiane Gerardo afirmou ter sido ameaçada por pessoas da base de apoio de um dos vereadores. Mas o mais marcante ainda estava por vir: quando parlamentares votaram contra seus próprios votos, como no caso da lei que trata da renovação automática do alvará de funcionamento, a instalação de um órgão de defesa do consumidor e o estado de calamidade financeira.