Feb 21, 2018 Last Updated 2:08 PM, Feb 21, 2018

Destaques

Mangaratiba intensifica combat…

PREVENÇÃO- A Secretaria Municipal de Saúde de Mangaratiba (SMSM) anunciou ontem ...

Sobe para 33 o número de morto…

CONFIRMADOS- Sobe para 33 o número de mortos pela febre amarela no estado do Rio...

Apresentação dos alunos da ofi…

CULTURA- Os alunos da oficina de verão de teatro de Itaguaí terão que esperar um...

Crise pode causar volta dos lixões no estado

Minc anunciou que vai apresentar um projeto para obrigar os municípios a cobrarem uma taxa para financiar o serviço Minc anunciou que vai apresentar um projeto para obrigar os municípios a cobrarem uma taxa para financiar o serviço FOTO DIVULGAÇÃO/ALERJ
Publicado em País
Ler 3267 vezes
Avalie este item
(0 votos)

O alerta foi feito pelo deputado Carlos Minc, presidente da Comissão pelo Cumprimento das Leis, da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj)

 

Em 2007, 90% do lixo produzido no estado ia para lixões a céu aberto. Em 2014, o mesmo percentual passou a ter destinação adequada em aterros sanitários licenciados. Porém, essa conquista está ameaçada pela crise econômica que atinge o estado e municípios. O alerta foi feito pelo deputado Carlos Minc (sem partido), presidente da Comissão pelo Cumprimento das Leis, da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), que discutiu o problema nesta terça-feira (18).

"As prefeituras não pagam os aterros privados, que ameaçam fechar, trazendo de volta os lixões, o que representaria um grande problema ambiental e de saúde", destacou Minc. O deputado anunciou que vai apresentar um projeto de lei para obrigar os municípios a cobrarem uma taxa para financiar o serviço. "Os prefeitos têm receio de criar uma taxa, mas o serviço tem que ser custeado. As prefeituras precisam cobrar para coletar, dispor adequadamente e tratar o chorume", destacou o parlamentar, que foi secretário de Estado do Ambiente no período em que os lixões foram fechados.

Dos 92 municípios do estado do Rio, 69 destinam o lixo para aterros sanitários e 23 para lixões. Mas, segundo Osmar de Oliveira Filho, gerente de licenciamento não industrial do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), ainda é preciso avançar. "O fato dos lixões terem um número inferior aos aterros sanitários não significa que estamos ótimos. O receio do crescimento dos lixões do Rio é ligado com a falta de capacidade do município de se administrar e propor uma verba exclusiva para o setor", disse Osmar.

Para Sebastião Santos, catador de material reciclável, é preciso mais planejamento para o fim dos lixões. "Não é só fechar os lixões. Tem um conjunto de coisas de médio e longo prazo a serem feitas. Uma delas é a garantia que os catadores vão trabalhar com a implantação da coleta seletiva. Sobre a lei que o deputado vai apresentar hoje, é preciso estudar o problema. Não é só colocando taxa que vai resolver tudo. Precisamos romper o paradigma de que lixo não serve para nada", comentou.