Jan 19, 2018 Last Updated 1:35 PM, Jan 18, 2018

Destaques

Nova lei prevê benefícios para…

Os contribuintes poderão aderir ao Programa de Regularização Rural até dia 28 de...

Seropédica qualifica servidore…

Curso foca em planejamento ambiental participativo, na importância da fiscalizaç...

Boato: Cadastramento biométric…

A procura pela biometria aumentou 50% em relação ao mesmo período do ano passado...

Charlinho inverte papéis e quer fiscalizar vereador

O VEREADOR promete ir á Justiça contra a calúnia O VEREADOR promete ir á Justiça contra a calúnia FOTO CLEITON BEZERRA
Publicado em Cotidiano
Ler 3760 vezes
Avalie este item
(0 votos)

“O que eu quero é transparência na administração”

REAÇÃO Surpreso com a decisão da Prefeitura de Itaguaí, o vereador Willian Cezar classificou o ato como uma autêntica inversão de papéis, com a nítida tentativa de coibir a sua função institucional de fiscalizar. “O meu gabinete está aberto a todos aqueles que quiserem informações, até ao prefeito. Agora, não existe respaldo legal para o que a prefeitura solicitou”, enfatiza o vereador. Ele conta que, além disso, as informações solicitadas pelo Executivo podem ser acessadas pelo Portal de Transparência da Câmara Municipal de Itaguaí (CMI). Em uma situação diametralmente oposta, o parlamentar sustenta que pela Comissão de Educação da CMI, e com um grupo de cinco colegas, já encaminhou ao Executivo três requerimentos de informações que não estão disponíveis no site ou nos canais de comunicação da Prefeitura de Itaguaí.

O vereador está indignado com o que identificou como atitude de aliados do prefeito, que vêm usando as redes sociais para atribuir a ele a responsabilidade pela nulidade do processo seletivo. “É um processo que existe desde dezembro de 2016, cujo autor foi o Ministério Público”, contradiz ele. “Quero que todas as pessoas de Itaguaí trabalhem, mas expor pais de família a essa situação é desumano, é uma covardia”, disse ele, referindo-se ao fato de que o processo seletivo foi lançado mesmo em colisão frontal com a lei. Reagindo à atitude que ele enxergou por parte de aliados do prefeito, o vereador já decidiu o caminho que vai tomar. “Tratam-se de servidores públicos, de pessoas com conhecimento, com nível superior. Se elas compartilham nas redes sociais algo que não é verdade, podem sofrer sanções da Justiça. É calúnia e difamação! Aqueles que forem identificados nessa prática vão ter que responder pelos seus atos”, anunciou.

 

 

 

Última modificação em Sexta, 17 Março 2017 09:50