Dec 11, 2017 Last Updated 2:50 AM, Dec 11, 2017

Destaques

Jovens encabeçam caminhada pel…

O intuito do evento é dar um exemplo de que é possível reunir diversas religiões...

Nuclep mira novos contratos de…

Além de novos contratos no setor, empresa entregará equipamentos de Angra 3 até ...

Igreja em Itaguaí receberá uni…

Essa é uma oportunidade para aqueles doadores que não podem se dirigir aos ponto...

Comunidade quilombola luta pela sobrevivência em Mangaratiba

Fazenda Santa Justina e Santa Izabel, em 2016 quando os quilombos receberam a certificação territorial Fazenda Santa Justina e Santa Izabel, em 2016 quando os quilombos receberam a certificação territorial FOTO REPRODUÇÃO
Publicado em Cotidiano
Ler 302 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Associações e entidades da cidade se unem na luta pela permanência dos quilombos

A comunidade quilombola da Fazenda Santa Justina e Santa Izabel, em Mangaratiba enfrentou anos de lutas para conquistar o direito territorial na Ilha do Saco. A liberdade parecia ter chegado no ano de 2016 para as 54 famílias da comunidade, após acordo com o Governo Federal. Eles ganharam certificação através da assinatura do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC).

No entanto, a tão sonhada emancipação e expansão cultural têm sido frustrada com a resistência de fazendeiros, que impedem a entrada de pessoas no local, inclusive da Associação dos Remanescentes de Quilombos do Estado do Rio de Janeiro (Aquilerj), segundo a historiadora da Fundação Mario Peixoto (FMP) Mirian Bondim. “A Aquilerj recebeu uma denúncia e tentou entrar na fazenda no dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra. Mas, eles foram barrados”, denuncia Mirian que também sente dificuldade de visitar o local. “Como historiadora me sinto frustrada de não conseguir entrar na fazenda. Lá têm mais de 200 anos de história, cultura e biodiversidade. A luta e resistência deste povo é muito grande”, relata Bondin que vê a biografia de Mangaratiba se confundir com a dos quilombos. “Eu acompanho a história deles que é bastante tradicional. Lá dentro têm engenhos, sítios históricos belíssimos e eu não posso visitar tudo isso. Lá também tem a ruína da primeira usina que trouxe energia para Mangaratiba. Inclusive, os quilombos ajudaram a trazer a luz para a cidade. Alguns morreram eletrocutados; e hoje, ironicamente, eles não têm luz. A abolição não chegou à Santa Justina e Santa Izabel.”, avalia a historiadora.

 

Em apoio à comunidade, a Associação de Moradores da Serra do Piloto, Ecomuseu de Mangaratiba, historiadores se uniram para dar engajamento a luta da comunidade quilombola da Fazenda Santa Justina e Santa Isabel. Eles estão organizando um evento no próximo domingo, dia 10, a partir das 10 horas da manhã em frente a porteira da fazenda que fica próximo ao posto de gasolina da Praia do Saco. Entre as atividades terá jongo, calango e capoeira, além de comida típica.