Dec 11, 2017 Last Updated 2:50 AM, Dec 11, 2017

Destaques

Jovens encabeçam caminhada pel…

O intuito do evento é dar um exemplo de que é possível reunir diversas religiões...

Nuclep mira novos contratos de…

Além de novos contratos no setor, empresa entregará equipamentos de Angra 3 até ...

Igreja em Itaguaí receberá uni…

Essa é uma oportunidade para aqueles doadores que não podem se dirigir aos ponto...

Vereadores de Charlinho enterram direitos de servidores

Publicado em Poder
Ler 792 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Base governista aprovou, em discussão final, projetos do Executivo que suspendem reajustes e progressão por qualificação de funcionários

DURO GOLPE- Os vereadores da base governista aprovaram, na noite desta terça-feira (5), em discussão final, os projetos de lei encaminhados pelo prefeito Carlo Busatto Júnior (PMDB), o Charlinho, que acabam com benefícios e vantagens dos servidores municipais.

 

Sob protestos dos servidores, que mais uma vez lotaram o plenária da Câmara de Itaguaí, para reivindicar seus direitos cobrando dos vereadores o compromisso de lutar em prol do funcionalismo público, o vereadores que compõem o grupo que apoiou o prefeito Charlinho taparam de vez a tampa do cachão dos servidores.

 

Contrário aos projetos do Executivo, os vereadores suprapartidários se esforçaram para tentar barrar o que consideram uma injustiça com os servidores, mas foram vencidos pelos 11 vereadores que passaram por cima dos pareceres da Comissão Finanças Orçamento Controle e Prestação de Contas (CFOCPC), que consideraram inconstitucionais o projeto que suspende vantagens patrimoniais até o limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal (cancela o quinquênio) e o que suspende a eficácia de normas que tratavam de adicional de progressão do servidor, ou seja, o funcionário deixa de receber bônus mesmo com diploma de nível técnico, pós-graduação, mestrado e doutorado, por exemplo.  

 

O vereador Genildo Gandra (PDT) destacou que com a aprovação dos projetos do Executivo,  os funcionários concursados em 2012, que receberiam o quinquênio no início de janeiro de 2018, perderão esse direito. “O governo enviou esses projetos para a câmara para garantir o não pagamento do quinquênio, da progressão e do adicional de qualificação por oito anos. O funcionário que completa agora cinco anos, que teria direito ao quinquênio, vai ter que esperar 48 meses para ter esse direito reconhecido”, ressaltou o parlamentar.

 

Também contrário ao corte dos benefícios dos servidores, o vereador André Amorim também se manifestou.  “Serão implementados de forma prospectiva, o que acarretará um problema para a futura gestão. É uma questão que não está clara e não tem como ser aprovado”, argumentou o vereador, sobre a emenda proposta pela base governista. 

 

Mais uma vez, a sessão foi marcada pelo forte esquema de segurança encabeçado pela Polícia Militar, agentes do Grupo Tático Operacional (GTO), agentes da Guarda Municipal e seguranças do Legislativo, com reforço de alguns assessores de vereadores. Porém, o forte esquema de segurança não intimidou os manifestantes que vaiaram todos os vereadores da base governista e gritavam “fora Charlinho”, “fora Rubão”, “bandidos”, “comprados”, entre outros xingamentos.

 

MISTÉRIO

 

Outra surpresa verificada durante a sessão foi a presença dos vereadores Nisan Cezar (PSD) e Fábio Rocha (PV), o Fabinho, secretários de Ordem Pública e Turismo,  respectivamente,  que assumiram as suas cadeiras no lugar dos suplentes Junior do Sítio (PSD ) e Carlos Zóia (PV). Segundo informações extraoficiais, Nisan e Fabinho assumiram seus postos para confirmarem aprovação dos projetos do Executivo contra os servidores. Ainda de acordo com as informações extraoficiais, alguns vereadores da base governista estariam pressionando o prefeito Charlinho.

 

 

Fontes também disseram que a presença dos dois vereadores seria para participarem de uma possível eleição da mesa diretora, o que não aconteceu. Vamos aguardar a próxima sessão. O mistério fica no ar!