Dec 11, 2017 Last Updated 2:50 AM, Dec 11, 2017

Destaques

Jovens encabeçam caminhada pel…

O intuito do evento é dar um exemplo de que é possível reunir diversas religiões...

Nuclep mira novos contratos de…

Além de novos contratos no setor, empresa entregará equipamentos de Angra 3 até ...

Igreja em Itaguaí receberá uni…

Essa é uma oportunidade para aqueles doadores que não podem se dirigir aos ponto...

Uma visita de assustar Destaque

CENTRO CIRÚRGICO improvisado é foco de infecções hospitalares CENTRO CIRÚRGICO improvisado é foco de infecções hospitalares FOTO REPRODUÇÃO
Publicado em Cotidiano
Ler 758 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Depois de visitar o Hospital Municipal São Francisco Xavier, em Itaguaí, deputada estadual Enfermeira Rejane classifica a unidade como uma das piores que inspecionou  

FISCALIZAÇÃO- A deputada estadual Enfermeira Rejane (PCdoB) visitou o Hospital Municipal São Francisco Xavier (HMSFX), na manhã desta segunda-feira (4), em companhia de representantes do Conselho Regional de Enfermagem do Rio de Janeiro (Coren-RJ). Segundo a parlamentar, o que motivou a visita foi uma série de denúncias dando conta da precariedade na estrutura da unidade, episódios de insalubridade, falta de médicos e ausência de insumos básicos. A parlamentar classificou a unidade como uma das piores que inspecionou até o momento. “Nunca vi um hospital com tanto mofo. Existem muitas peculiaridades, mas em termos de estrutura, o hospital está muito ruim. Tem umidade para tudo quanto é lado. Todos os ar condicionados estão vazando. O setor do hemocentro está cheio de cocô de rato”, denunciou a deputada, que disse ter encontrado também baratas pelos corredores, inclusive na cozinha. “A bancada onde são preparados os alimentos dos pacientes está infestada de barata”, espantou-se ela.  

Segundo a parlamentar, a unidade encontra-se em situação precária, com problemas de curto, médio e longo prazo para se resolver, sendo a falta de limpeza a pior dificuldade, tanto para os funcionários como para os pacientes que ficam a mercê de infecções hospitalares. “Durante a visita vi muito lixo hospitalar. De todos os problemas que vi, parte muita coisa da limpeza. É preciso haver uma rotina para retirada desse lixo. Qual a empresa está trabalhando para retirada desse lixo? Eu não sei. Vamos ter que oficiar para saber quem é a empresa e notificar”, adiantou a deputada.

Ainda de acordo com a parlamentar, a direção do HMSFX não se responsabilizou pelos problemas pontuados durante a visita. “Não gosto de jogo de empurra. Ah, é culpa da gestão anterior! Não, é culpa desta gestão! Ou ainda, essa gestão já está há um ano. Eu queria respostas para questões simples como o porquê de tantas lâmpadas queimadas. Por que não pode trocar? Há, mas não teve licitação...”, indignou-se a deputada, que se espantou ao ver o CTI pediátrico e a maternidade vazios e muitos aparelhos quebrados e parados em todos os setores.

Gerente de fiscalização do Coren RJ, Sabrina Saibert disse que os problemas na unidade são recorrentes desde 2013. “Por mais que a Secretaria de Saúde diga que a situação se agravou por conta da crise, a gente percebe que a assistência só vem piorando, pois fazemos inspeção no São Francisco há quatro anos. Desde então, tudo que a gente notificou não foi atendido. As questões estruturais são as mesmas, mesmo após as obras”, apontou a representante do Coren-RJ, dizendo que a situação do centro cirúrgico é lamentável. “Existem quatro salas no centro cirúrgico, e hoje só funciona uma, que só atende em situação de emergência. O paciente só é atendido para não morrer. Não tem como garantir que a pessoa saia sem contrair infecção hospitalar. Tem cruzamento de material limpo com sujo e a limpeza do hospital é precária” pontuou Sabrina, acentuando que durante toda a fiscalização só viu uma funcionária da limpeza. “Além disso, encontrei medicação com validade vencida. São cuidados do dia a dia que estão sendo negligenciados, desde o problema de insumo até a assistência, que não está sendo de qualidade”, denunciou. “Vamos encaminhar um relatório ao Ministério Público e a prefeitura tem um prazo de sete dias para encaminhar os notificadores. Passados estes dias vamos encaminhar uma ação pública contra o município. Se não responder, é judicialmente. Não tem jeito!”  

 

Após a visita, a deputada Enfermeira Rejane disse que vai encaminhar relatório à Comissão de Saúde da Alerj, com cópia para o HMSFX e para a Câmara Municipal de Itaguaí. Já a gerente do Coren encaminhará ao Ministério Público um relatório contra o município. 

 

RENATA PIRES

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.