Dec 11, 2017 Last Updated 2:50 AM, Dec 11, 2017

Destaques

Jovens encabeçam caminhada pel…

O intuito do evento é dar um exemplo de que é possível reunir diversas religiões...

Nuclep mira novos contratos de…

Além de novos contratos no setor, empresa entregará equipamentos de Angra 3 até ...

Igreja em Itaguaí receberá uni…

Essa é uma oportunidade para aqueles doadores que não podem se dirigir aos ponto...

Grupos vulneráveis contarão com aplicativo para acionar PM

O aplicativo dará orientações para atender chamados O aplicativo dará orientações para atender chamados FOTO REPRODUÇÃO
Publicado em Serviço
Ler 95 vezes
Avalie este item
(0 votos)

TECNOLOGIA- Os policiais militares do estado do Rio de Janeiro terão um aplicativo para dispositivos móveis em que poderão tirar dúvidas sobre o atendimento a pessoas em situação de vulnerabilidade ou que fazem parte de minorias. A informação foi anunciada sexta-feira (1) pelo secretário estadual de Segurança Pública, Roberto Sá, que participou de um seminário sobre o tema de sua pasta, promovido pela Câmara de Comércio Americana.

Segundo o secretário, o aplicativo está em fase de finalização e foi apresentado ao banco Itaú, que se interessou em financiá-lo. O aplicativo dará orientações para atender chamados de pessoas Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros, mulheres vítimas de violência, pessoas vítimas de preconceito racial ou religioso, crianças, adolescentes e idosos.

"Quando você não sabe e se equivoca nessa tensão, você vitimiza essa pessoa pela segunda vez. O que queremos evitar é que essa pessoa que já chega vitimizada sofra uma segunda violência", explicou ele, que contou que a formulação do conteúdo que constará no guia foi um trabalho que envolveu cada um dos grupos vulneráveis ou minoritários.

Durante o seminário, Sá destacou as dificuldades financeiras que enfrenta desde o início de sua administração. "Sou gestor de uma massa falida, mas vamos recuperar essa empresa", comparou ele, que falava para uma plateia com presença de empresários.

 

O secretário afirmou que, desde o início de sua gestão, passou mais tempo no gabinete de crise que em seu gabinete. Sá disse que trabalha com 2 mil policiais a menos, sem condições de pagar horas extras, e com 50% menos viaturas.