Dec 11, 2017 Last Updated 2:50 AM, Dec 11, 2017

Destaques

Jovens encabeçam caminhada pel…

O intuito do evento é dar um exemplo de que é possível reunir diversas religiões...

Nuclep mira novos contratos de…

Além de novos contratos no setor, empresa entregará equipamentos de Angra 3 até ...

Igreja em Itaguaí receberá uni…

Essa é uma oportunidade para aqueles doadores que não podem se dirigir aos ponto...

Mangaratiba tem Fórum de Não Violência Contra a Mulher

O EVENTO qualificou profissionais que atuam nas áreas que lidam diretamente com o assunto abordado O EVENTO qualificou profissionais que atuam nas áreas que lidam diretamente com o assunto abordado FOTOS DIVULGAÇÃO/PMM
Publicado em Cotidiano
Ler 1212 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Evento teve como objetivo qualificar profissionais que atuam nas áreas que lidam diretamente com tema

QUALIFICAÇÃO- A Secretaria de Saúde de Mangaratiba promoveu o 1º Fórum Municipal de Não Violência Contra a Mulher, na quarta e quinta-feira (29 e 30). O evento foi realizado no Hotel Plaza, em Itacuruçá, por meio do programa Arte Viva (Área Técnica de Vigilância e Acidentes) e PAISMCA (Programa de Assistência Integral a Saúde da Mulher, Criança e Adolescente) e teve como objetivo qualificar profissionais que atuam nas áreas que lidam diretamente com o assunto abordado, além de toda à população. Uma das metas é saber o número real das agressões, e para isso, é necessária a realização da Notificação no Sistema Nacional de Informação de Agravos e Saúde, do Ministério da Saúde.

A secretária de Saúde, Lidiani de Vasconcelos Paula Marculino Oliveira, falou sobre a importância do evento. “Estamos satisfeitos com o evento. Queremos falar sobre este assunto importante, porém pouco abordado. E o melhor, qualificamos os nossos profissionais. Aos poucos estamos devolvendo os direitos da população. Agradeço a toda equipe envolvida”.

Elisa Goulart, responsável técnica pelo Arte Viva, destacou a sua expectativa de que as pessoas saíssem com um novo olhar sobre o tema. “Existem vários tipos de violência, como: a física, patrimonial, psicológica, moral e sexual. Muitas mulheres não têm ciência disso, acabam sendo violentadas e não sabem. É preciso conhecer para prevenir”. “Além de que muitas mulheres não denunciam por conta da vergonha”, acrescenta a coordenadora do PAISMCA, Iris Almeida.

 

DEBATES DO 1º DIA

No primeiro dia, foram realizadas duas mesas de debates. A primeira sobre o tema: Mulher, Violência e Justiça. A assistente social Tatiana Figueiredo iniciou as apresentações. Ela abordou os assuntos ‘Violência Doméstica’ e Lei Maria da Penha. Em seguida, a defensora pública de Mangaratiba Richanne de Souza falou sobre a violência contra a mulher e o acesso à justiça.

A tarde, a segunda mesa de debate foi sobre ‘O impacto da desigualdade de gênero na vida da mulher’. A psicóloga e especialista em Saúde Mental, Ana Lúcia de Andrade, falou sobre a violência baseada em gênero. Logo em seguida, foi abordado a Cultura do Estupro, pela psicóloga e especialista em Direitos Humanos e Políticas de Gênero, Fernanda Moreira. Patrícia Urruzola, historiadora e doutoranda em História Social, finalizou com o assunto: Educação para o feminismo.

  

DEBATES DO 2º DIA

No segundo e último dia, mais informações foram apresentadas aos participantes. A moderadora do dia foi Isabel Costa, coordenadora do Programa de Saúde na Escola, coordenadora do Caps II/Angra dos Reis e especialista em Saúde Mental. Os temas abordados pela mesa foram: “Protocolo de Atendimento à Mulher em situação de violência sexual”, “Notificação Compulsória da Violência Contra a mulher - Panorama da Baía da Ilha Grande e em Mangaratiba”.

 

A última mesa abordou o tema “Mulher Negra – Da violência ao prolagonismo social”. A moderadora da mesa de debate foi Ana Carolina de Paula, psicóloga, especialista em clínica e mestre em psicologia, Caps Mangaratiba, Saúde do Adolescente – PAISMCA. As pautas da última mesa de debate do evento foram: “A Mulher Negra e as políticas públicas para enfrentamento da violência contra as Mulheres”, “As violências contra a Mulher Quilombola”, e “O protagonismo da Mulher Negra na sociedade atual”.