Dec 12, 2017 Last Updated 2:50 AM, Dec 11, 2017

Destaques

Jovens encabeçam caminhada pel…

O intuito do evento é dar um exemplo de que é possível reunir diversas religiões...

Nuclep mira novos contratos de…

Além de novos contratos no setor, empresa entregará equipamentos de Angra 3 até ...

Igreja em Itaguaí receberá uni…

Essa é uma oportunidade para aqueles doadores que não podem se dirigir aos ponto...

Exposição étnico-racial inaugurada no CEI, em Itaguaí

A MOSTRA é exibida no Centro Educacional de Itaguaí, no bairro do Engenho A MOSTRA é exibida no Centro Educacional de Itaguaí, no bairro do Engenho FOTO DIVULGAÇÃO
Publicado em Cotidiano
Ler 435 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Mostra que reúne trabalhos de alunos da rede pública municipal foi aberta com apresentação de danças folclóricas e músicas regionais 

 

MOSTRA CULTURAL- Uma série de apresentações culturais com a participação de alunos da rede municipal de ensino marcou, na quinta-feira (16), a abertura da 10ª Exposição Étnico-racial de Itaguaí, montada no Centro Educacional de Itaguaí (CEI). A mostra reúne trabalhos manuais que abordam a diversidade da etnia e raça do povo brasileiro e, em especial, da população de Itaguaí. Os trabalhos foram confeccionados por estudantes de todas as escolas públicas do município. O evento também faz alusão ao Dia Nacional da Consciência Negra, que se comemora em 20 de novembro.

Organizada pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SMEC), a mostra ficará aberta ao público até a sexta-feira (24), das 9h às 17h. O CEI fica na Rua João Rosa Gonzáles, no bairro do Engenho. A inauguração contou com a presença de professores e servidores da Secretaria de Educação. Alunos de nove escolas da rede pública de ensino se dividiram em apresentações de danças folclóricas. Segundo Fátima Lobato, uma das coordenadoras de Temas Transversais do Departamento Geral de Ensino da SMEC, os trabalhos apresentados na exposição foram desenvolvidos desde o início do ano letivo por alunos das 62 unidades escolares, incluindo creches, a educação infantil e o atendimento especializado.

Fátima Lobato informou que a exposição é o resgate da diversidade étnico-racial que estava meio encoberta. “Os trabalhos demonstram o envolvimento de professores e demais servidores da Educação com a questão do estudo da história e da cultura, não só afro-brasileira e indígena, mas também japonesa e portuguesa”, acentuou.  

 

Ensino obrigatório

 

O estudo das culturas afro-brasileira e indígena tornou-se obrigatório em todo país para os ensinos fundamental e médio, a partir da sanção das leis 10.639/2003 e 11.645/2008. O conteúdo programático, segundo as normas, deve incluir diversos aspectos da história e da cultura que caracterizam a formação da população brasileira, a partir desses dois grupos étnicos. Em outras palavras, é o estudo da história da África e dos africanos, a luta dos negros e dos povos indígenas no Brasil, a cultura negra e indígena brasileira e o negro e o índio na formação da sociedade nacional, resgatando as suas contribuições nas áreas social, econômica e política do país.