Oct 21, 2017 Last Updated 3:21 PM, Oct 20, 2017

Novo comandante do 24º BPM é apresentado no Conselho de Segurança em Itaguaí

Novo comandante do 24º BPM (Queimados) foi apresentado na reunião do CCSPI, nesta segunda-feira (9) Novo comandante do 24º BPM (Queimados) foi apresentado na reunião do CCSPI, nesta segunda-feira (9) FOTOS CLEITON BEZERRA
Publicado em Poder
Ler 499 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Falta de representantes públicos e baixo quórum marcaram negativamente a reunião do CCSPI

 

CICLO QUE SE INICIA A reunião do Conselho Comunitário de Segurança Pública de Itaguaí (CCSPI), realizada ontem (9) na Câmara Municipal de Vereadores, foi marcada pela apresentação do novo comandante do 24º BPM (Queimados), o tenente-coronel PM Maximiano Boaventura Bresciani.

Chamou a atenção o baixo quórum da reunião, a falta de representantes da Comissão de Segurança Pública da Câmara e de representantes da Prefeitura de Itaguaí. O único parlamentar presente foi o vereador André Amorim (PR), que saiu para um enterro e não ficou até o término da atividade. O presidente do CCSPI, Alexandre Guedes de Andrade, justificou a ausência do vereador Ivanzinho, que não pode acompanhar a reunião pois estaria participando de uma reunião do partido no Rio de Janeiro.

Em entrevista exclusiva ao ATUAL, o novo comandante do 24º BPM, Bresciani, afirmou que nesse primeiro momento está “tomando pé da realidade da região”. “Desde que eu cheguei já participei de três reuniões de conselhos comunitários em outros municípios. A minha ideia inicial é pegar as demandas para a gente poder direcionar a atuação, assim como fiz nos outros municípios em que o batalhão atua: Queimados, Itaguaí, Seropédica, Paracambi e Japeri”, destacou o tenente-coronel.

Questionado sobre como o comandante pretende buscar caminhos para driblar os problemas de recursos e estrutura da PM, ele afirmou que a criatividade e o diálogo com a população serão alguns desses instrumentos. “Ouvindo, aprendendo e tentando melhorar, já falei com o capitão Caldas ideias de outros conselhos que eu achei interessante, passei para ele. A nossa ideia é aprimorar o contato com o cidadão, um link mais próximo, para a gente atender realmente a demanda da sociedade”, ressaltou.

Além do novo comandante do 24º BPM, estiveram presentes o capitão da 5ª Cia/Itaguaí, Leonardo Caldas; o delegado da 50ª DP (Itaguaí), Carlos Alexandre; o chefe do 3ª Delegacia da PRF (Itaguaí), Rodrigo Dias Moreira e integrantes da mesa diretora do CCSPI.

Comandante Bresciani destacou a importância dos Conselhos Comunitários de Segurança Pública da região

Delegado Alexandre ressaltou a importância da integração entre as polícias e do trabalho em parceria em Itaguaí

OMISSÕES CRITICADAS

A máxima de que a segurança pública é um compromisso de todos e um dever de cada um não tem sido respeitada por alguns personagens no âmbito do Conselho Comunitário de Segurança Pública de Itaguaí (CCSPI), que em seu encontro de ontem, na Câmara Municipal de Itaguaí, não conseguiu atrair mais que cinco pessoas das diversas comunidades da cidade. A plenária só não ficou mais esvaziada porque estavam presentes ali os integrantes da mesa diretora do órgão três representantes do Jornal ATUAL, uma integrante da equipe de comunicação da casa e uma assessora do vereador Ivanzinho, que justificou a ausência do parlamentar por coincidência de agendas. 

O ocorrido foi motivo de indignação e registro por parte do presidente e do vice-presidente do CCSPI, respectivamente, Alexandre Guedes de Andrade e Maurício Carlos, bem como de oradores que fizeram uso da palavra. Nem mesmo os integrantes da Comissão de Segurança Pública da CMI apareceram para reforçar pleitos que em outras ocasiões juram defender com todas as suas forças. Único a marcar presença. O vereador André Amorim ausentou-se antes do término, alegando a necessidade de comparecer ao sepultamento de uma funcionária que trabalhava no escritório de advocacia ao qual ele está vinculado.

 

As críticas também foram direcionadas ao Poder Executivo, que não enviou um representante sequer para participar das discussões, mesmo sendo a atuação da prefeitura considerada fundamental para garantir segurança em muitas comunidades. As autoridades municipais de Itaguaí perderam, assim, mais uma oportunidade de encontrar soluções para a reativação, por exemplo, do Programa Estadual de Interação na Segurança, que foi suspenso em Itaguaí, desde o ano passado, por conta de uma dívida do município com a Polícia Militar, da ordem de R$ 305 mil. No vácuo institucional que a ausência dos representantes do poder público municipal provocou no que se refere à integração perdeu-se ainda a oportunidade de discutir ideias como a do CCSPI, de reativar o sistema de monitoramento do centro da cidade com o uso de um sistema de câmeras. Lamentável!!! 

CLEITON BEZERRA

RENATO REIS

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.