Jan 19, 2018 Last Updated 1:35 PM, Jan 18, 2018

Destaques

Nova lei prevê benefícios para…

Os contribuintes poderão aderir ao Programa de Regularização Rural até dia 28 de...

Seropédica qualifica servidore…

Curso foca em planejamento ambiental participativo, na importância da fiscalizaç...

Boato: Cadastramento biométric…

A procura pela biometria aumentou 50% em relação ao mesmo período do ano passado...

PF e MPF fazem operação na Porto Sueste para investigar irregularidades em contratos

Ação investiga irregularidades em contratos operacionais e de aquisição de equipamentos Ação investiga irregularidades em contratos operacionais e de aquisição de equipamentos FOTO ARQUIVO ATUAL
Publicado em Polícia
Ler 911 vezes
Avalie este item
(0 votos)

AÇÃO O Ministério Público Federal e a Polícia Federal, em cooperação com autoridades espanholas, deflagraram, na segunda-feira (11), a Operação Bailén (nome de município espanhol), que busca coletar dados sobre irregularidades em contratos operacionais e de aquisição de equipamentos do Porto Sudeste, em Itaguaí (RJ). Tais contratos são vinculados a uma subsidiária brasileira de uma empresa estatal da Espanha que opera nesse porto. Foram cumpridos 11 mandados de busca e apreensão nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo, São Bernardo do Campo, Santo André, Belo Horizonte e Curitiba.

A cooperação internacional foi solicitada pelas autoridades espanholas e autorizada pela Justiça brasileira, após tramitar pelo Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI). A Secretaria de Cooperação Internacional da Procuradoria-Geral da Republica coordenou a operação com procuradores da República e delegados da Polícia Federal de três estados.

A Operação Bailén teve como objetivo a investigação de empresas pertencentes a um cidadão brasileiro suspeito da prática de corrupção ativa, crimes contra a ordem tributária e lavagem de dinheiro. Também são investigadas empresas contratadas para implantação dos serviços de esteira e guindaste no Porto Sudeste.

O nome do cidadão brasileiro não foi revelado. O ATUAL entrou em contato com a Porto Sudeste, mas por meio da assessoria de imprensa a empresa informou que não vai comentar o assunto.